Busca

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Aliado de Cunha e contra impeachment, Waldir Maranhão assume presidência da Câmara

Uol


O deputado Waldir Maranhão (PP-MA) assume interinamente a presidência da Câmara dos Deputados, devido ao afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

A secretaria-geral da Câmara não prevê nova eleição para presidente da Casa porque Cunha foi apenas suspenso com a liminar do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki. No entanto, a interinidade de Waldir Maranhão é inédita.

Maranhão é investigado pela Operação Lava Jato. O parlamentar foi citado por Alberto Youssef como um dos deputados do PP beneficiados por propinas de contratos da Petrobras.

Eleito vice-presidente da Câmara em fevereiro de 2015, o deputado responde a outros dois inquéritos relatados pelo ministro Marco Aurélio Mello, também por lavagem de dinheiro.

Sobre as denúncias, ele afirmou ao "Congresso em Foco" no ano passado: "É do meu interesse o célere esclarecimento dos fatos, desfazendo equívocos e contradições".

Considerado aliado de Cunha na Casa, votou contra o prosseguimento do processo de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados, contrariando a orientação nacional do PP, seu partido. Devido à atitude, o deputado foi destituído da presidência do diretório estadual do partido no Maranhão.

Médico veterinário de formação, Maranhão está em seu terceiro mandato consecutivo de deputado. Ele se filiou ao PP em 2007. Antes disso foi filiado ao PDT (1985 a 1986), duas vezes ao PSB (1986 a 1988 e 2005 a 2007) e ao PTB (1988 a 2005). No primeiro mandato de deputado, licenciou-se para assumir o cargo de secretário Estadual de Ciência e Tecnologia do Maranhão, na gestão de Roseana Sarney (PMDB), entre maio de 2009 e abril de 2010.

Maranhão também foi responsável por uma série de decisões que favoreceram Cunha no processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética, o qual pode levar à cassação do peemedebista. Na última, o presidente interino da Câmara limitou a investigação do colegiado à suposta existência de contas bancárias não declaradas no exterior pertencentes a Cunha.

Dessa forma, Waldir Maranhão decidiu que o Conselho de Ética não poderá investigar o presidente da Câmara afastado por suspeitas de recebimento de propina, conforme acusam delatores ouvidos pela força-tarefa da Operação Lava Jato. Cunha nega todas as acusações: tanto de ter contas secretas quanto de recebimento de propina.

Nenhum comentário: