Busca

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Economia brasileira está pior do que eu imaginava, diz Meirelles

Bloomberg

Carla Simões e Raymond Colitt

20/05/2016


(Bloomberg) -- A economia está em pior situação do que imaginava antes de assumir o Ministério da Fazenda, há uma semana, disse Henrique Meirelles, em entrevista à agência de notícias Bloomberg.

"Eu encontro nos números uma situação pior do que esperava", disse ele em seu gabinete em Brasília, referindo-se em grande parte ao Orçamento federal.

Contudo, o governo interino liderado por Michel Temer está em melhor posição para conseguir a aprovação de medidas econômicas no Congresso do que o de Dilma Rousseff, disse Meirelles, acrescentando que os brasileiros atualmente estão mais conscientes de que será preciso fazer sacrifícios para o crescimento retornar.

"O governo mudou, assim como a disposição do Congresso e mesmo a capacidade de negociação do próprio governo", disse ele.

Meirelles, 70, disse em várias oportunidades que o reforço das contas públicas e a contenção do aumento da dívida pública são prioritários para reconstruir a confiança na economia, golpeada pela recessão.

Previdência e dívida dos Estados

Sua equipe econômica está elaborando uma proposta de reforma da Previdência e um membro do governo disse no início desta semana que negócios estatais poderão ser vendidos para levantar recursos.

O gabinete de Temer também está tentando renegociar as dívidas dos estados antes de o Supremo Tribunal Federal se posicionar a respeito.

Uma decisão judicial para que os estados paguem juros simples em vez de compostos privaria o governo federal de um total estimado em R$ 402 bilhões (US$ 113 bilhões) em receitas, segundo algumas estimativas.

Governo interino

Michel Temer foi empossado como presidente interino do Brasil na semana passada, depois que o Senado afastou Dilma Rousseff temporariamente do cargo para submetê-la a um julgamento de impeachment.

Ele incumbiu Henrique Meirelles, o ex-presidente do Banco Central conhecido por ter domado a inflação, de recolocar nos trilhos uma economia que perdeu seu status de grau de investimento no ano passado em meio a um déficit orçamentário recorde.

A equipe de Meirelles anunciará sua meta orçamentária para 2016 na segunda-feira e a expectativa é que mostre déficit primário em vez do superávit buscado pelo governo anterior.

O senador Cássio Cunha Lima, líder do PSDB no Senado, disse na quinta-feira que o déficit está em torno de R$ 200 bilhões. O governo aposta que o Congresso agirá rapidamente sobre suas propostas se compreender a verdadeira dimensão do rombo orçamentário.

"A população tem expectativa de resultado, não há dúvida", disse Meirelles.


Nenhum comentário: