Busca

sábado, 14 de maio de 2016

EDUCAÇÃO: UMA CRÔNICA EM DEBATE

Crônica da tarde

Hélcio Silva

(14/05/2016)


Crônica é uma história que expõe fatos em narração simples, em linguagem do povo. Pode até vestir-se de fantasias, mas nunca deixa de ser história. Há quem entenda que a crônica precisa ser mais cerimonial. Porém, quando ela entra nesse clima cerimonioso, fugindo das coisas ligadas ao povo, deixa de ser crônica.

O Brasil hoje passou a ser uma crônica: é uma história!... E “ki” história!... Uma história de muitas histórias, com mudanças ou não dos fatos... 

Ontem era Dilma; hoje é Temer... E a história continua com os mesmos fatos, sem mudança... O impeachment, para muitos, é apenas uma cunha, um calço que não vai segurar o peso.

E já há insatisfeitos..., e muitos. O Temer organizou o seu ministério com alguns lavajatistas. Eu me assustei... Comecei a temer pelo futuro... Disse comigo: vem já outro impeachment.


André em Lethbridge - Canadá
Ontem, por mais de duas horas, conversei com André Azevedo. Ele lá do Canadá, escrevendo sua tese de mestrado, e eu do lado de cá... Foi um verdadeiro debate..., de alto nível - claro!... Acordamos em alguns pontos e discordamos em outros... Ele não acredita no Governo Temer.

O Azevedo me pareceu muito bem informado das coisas do Brasil...

Hoje, antes do almoço, o correio bate à minha porta. Era ele – o Azevedo - no Box do face para me informar da suspensão de novas inscrições para o Programa Bolsa Permanência/MEC.

Indicou-me para eu ir ao Portal da UFMA... Fui. Abri e lá encontrei este texto:

“URGENTE: Suspensão de novas inscrições para o Programa Bolsa Permanência/MEC
Informamos que, conforme determinação do Ofício-Circular nº 2/2016/DIPES/SESU/SESU-MEC, de 11 de maio de 2016, a partir da presente data, estão suspensas novas inscrições no Programa de Bolsa Permanência/MEC-PBP. Consequentemente, o Edital PROAES nº 15/2016 está suspenso.”

Fui professor da UFMA - e aluno também - estando agora a pensar que nossos governos parecem sem compromisso com a Educação...

Não parei só na informação que me foi dada por André Azevedo (André é meu filho que mora no Canadá e faz Mestrado em Administração Internacional com especialização em desenvolvimento sustentável). 

Caminhei mais um pouco.

Fui ao site da Universidade Federal do Espírito Santo e li esta matéria abaixo, confirmando o fato:

MEC suspende novas inscrições para o Programa de Bolsa Permanência


Publicado em 12 de Maio de 2016

A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e Cidadania (Proaeci) recebeu nesta quarta-feira, 11, um ofício da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (Sesu/MEC) comunicando a suspensão de novas inscrições para o Programa de Bolsa Permanência ( PBP), exceto para os estudantes indígenas e quilombolas.

Jesualdo Pereira Farias, afirma que a medida foi tomada “considerando o crescimento do número de beneficiários selecionados pelas instituições públicas federais de ensino superior”.

Ele afirmou ainda que o recebimento dos benefícios do PBP está condicionado à existência de dotação orçamentária anualmente consignada ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), devendo o Poder Executivo compatibilizar a quantidade de beneficiários com as dotações orçamentárias existentes, observados os limites de movimentação e empenho e de pagamento da programação orçamentária e financeira;

Auxílio

O Programa de Bolsa Permanência (PBP) foi instituído pela Portaria nº 389, de maio de 2013, tem a finalidade de viabilizar a permanência, no curso de graduação presencial, de estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

As novas inscrições para estudantes indígenas e quilombolas continuarão a ser realizadas por meio do Sistema de Gerenciamento de Bolsas em dois períodos ao ano, no primeiro e segundo semestres.

Farias destacou que em 2016 o MEC repassará, às instituições públicas federais de ensino superior do País, recursos na ordem de R$ 1 bilhão de reais para ampliar as condições de acesso e permanência dos jovens em situação de vulnerabilidade socioeconômica no ensino superior público federal, por meio do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES).

Nenhum comentário: