Busca

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Delcídio rompe o silêncio: Lula participava

Gente, não tem mais como o Lula dizer que de nada sabia. Ele era o dono do time, presidente e técnico...
Eu sou ouvinte de todos os dias da Jovem e hoje, na tarde “d’agora”, aqui em Upaon-Açu, ouvi a entrevista de Delcídio Amaral sobre o nosso Brasil: mensalão, petrolão, lava jato, Dilma, Lula e outros mais...

Veja a matéria escrita da Jovem Pan, aqui no meu blog... Leia e, no fim, veja o vídeo:

Delcídio rompe o silêncio: Lula participava de perto do que ocorria na Petrobras

Por Jovem Pan


Processado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que pede indenizações por danos morais, o ex-senador e delator da Lava Jato Delcídio do Amaral rompeu o silêncio de meses e disse em entrevista exclusiva à Jovem Pan que Lula acompanhava de perto o que ocorria na Petrobras durante seu governo.

Questionado pelo jornalista Claudio Tognolli se "Lula é o pai do mensalão e do petrolão", o ex-parlamentar do PT que presidiu a CPMI do mensalão em 2005 ironiza: “Lula nunca sabe de nada, no petrolão também”. E ressalta: "Mas, claro, ele era um presidente protagonista, atuante. Tinha um perfil diferente". "No caso do mensalão, efetivamente, as provas são contundentes, tanto é que foram reconhecidas (...). Ficou muito claro quem era quem nesse processo (do mensalão)", declarou Delcídio.

"Agora, em relação à Petrobras é inegável. A Petrobras sempre teve influência política. Dizer que isso começou agora não é verdade. Como também corrupção e caixa dois não são privilégio do PT, do PMDB, isso já existe, existia", ressaltou Delcídio, que também foi ministro de Minas e Energia entre 1994 e 1995. "No caso do governo Lula, a Petrobras teve uma participação muito mais ampla do governo. Era uma política de Estado, (de ter) a Petrobras como alavancadora do desenvolvimento e do crescimento do País", lembrou o ex-petista, que sempre teve bom trânsito no Planalto.
"Então isso naturalmente exigia um acompanhamento claro e um posicionamento muito mais próximo de um presidente da República e de seus ministros do que em outros governos", afirmou Delcídio do Amaral. "Ou seja, Lula acompanhava de perto?", pergunta Tognolli. "Acompanhava. Isso é claro, isso eu vi bem", reiterou.

"Pós-mensalão"

Delcídio disse acreditar que a derrocada da Petrobras e do governo lulopetista se deu "pós-mensalão". "Quando vem o mensalão, o governo Lula teve que se rearrumar internamente, começa a compartilhar o seu governo e escolhe o PMDB como seu parceiro principal", lembrou. "Consequentemente a Petrobras passa a ter um papel do ponto de vista político, sob o ponto de vista do azeitamento da máquina política e de sustentação do governo".

"Ação ampla"

Delcídio comentou também, durante a entrevista, outra acusação que fez ao ex-presidente em sua delação premiada à Operação Lava Jato.

O ex-senador falou em seu depoimento à força-tarefa que partiu de Lula a ordem “expressa” para oferecer dinheiro à família do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, a fim de que este não fizesse delação premiada nem citasse o suposto esquema de compra de sondas superfaturadas pela estatal com o amigo do ex-presidente, o pecuarista José Carlos Bumlai. Bernardo Cerveró, filho de Nestor, gravou a conversa com Delcídio que levou à prisão do ex-senador em novembro do ano passado por tentar obstruir a justiça.

"Na verdade era uma grande articulação, não era só com relação ao Lula e Bumlai", disse Delcídio, sobre o suposto plano do então governo Dilma de abafar a operação que atingia o núcleo do governo. "(Era um) pedido específico do Lula, mas também era uma ação de governo, muito mais ampla", afirmou.

*Em nota enviada à Jovem Pan a defesa do ex-presidente Lula informou que o ex-senador Delcídio do Amaral mentiu sobre a compra do silêncio de Nestor Cerveró e está sendo processado por este motivo. Confira a nota na íntegra:

"O ex-senador Delcídio do Amaral está sendo processado porque mentiu em relação a Lula. A ação proposta no último dia 10/11 diz respeito apenas à mentira sobre a compra do silêncio de Nestor Cerveró. As demais mentiras serão objeto de novas ações. Tal como ele, todos aqueles que forjarem acusação para obter benefícios da Justiça serão processados".

Confira a entrevista completa:




Nenhum comentário: