Busca

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Mais de 1 milhão de crianças já fugiram da violência no Sudão do Sul

Levantamento é do Unicef e do Acnur; a maioria seguiu para Uganda, Quênia, Etiópia e Sudão; mais de mil crianças sul-sudaneses já foram assassinadas ou feridas desde o início do conflito em 2013.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

Mais de 1 milhão de crianças fugiram do Sudão do Sul, onde um conflito está a arrasar o país. Os números são da Agência da ONU para Refugiados, Acnur, e do Fundo da ONU para a Infância, Unicef.
A diretora regional do Unicef para o leste africano, Leila Pakkala, declarou ser "horripilante o fato de que uma entre cinco crianças sul-sudanesas foi obrigada a abandonar suas casas".

Risco

Ela lembra que dentro do país, existem também 1 milhão de crianças deslocadas internas e por isso, "o futuro da geração está sob risco".
As crianças forma 62% entre os mais de 1,8 milhão de refugiados do Sudão do Sul. A maioria foi para Uganda, Quênia, Etiópia e Sudão.
Mais de 75 mil mil menores que cruzaram as fronteiras do Sudão do Sul para esses países vizinhos estavam desacompanhados de suas famílias.

Recrutamento

Segundo o relatório do Acnur e do Unicef, dentro do Sudão do Sul, mais de mil crianças foram assassinadas ou feridas desde o início dos conflitos em 2013. Quase três quartos dos menores de idade estão fora da escola, sendo a proporção mais alta no mundo todo.
Essas crianças enfrentam também traumas, medos e stress, além do risco de serem recrutadas por grupos armados. As agências da ONU mencionam ainda a vulnerabilidade à violência, abuso sexual e exploração.

Dinheiro

As famílias refugiadas enfrentam uma "catástrofe dupla" neste momento, porque além de precisarem de abrigo e de segurança, a temporadas de chuvas traz riscos de doenças.
O Unicef pediu US$ 181 milhões para ajudar os refugiados da região neste ano, mas só recebeu 52% . O Acnur também enfrenta problemas financeiros para fornecer assistência: a agência recebeu apenas 11% dos US$ 781.8 milhões necessários para as operações humanitárias.

Nenhum comentário: