Busca

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

UM POLITICO EXEMPLAR


Sebastião Nery


RIO – Paes de Andrade, sempre que retornava a Fortaleza, reunia em sua casa os amigos para um convescote. Chegávamos – uns vinte – para o almoço de carneiro e para todas aquelas relembranças da história política do Ceará, em que o Filho de Mombaça havia sido personagem marcante por mais de meio século.

O carneiro do Paes, preparado pelas mãos competentes da cozinheira Francinete e apresentado em várias modalidades culinárias, fazia o regalo dos convidados e a inveja posterior dos que, por viagem ou distração, haviam se ausentado daquela mesa farta de sabor sertanejo e prosaica convivência.

Quando o nosso líder morreu, naquele malfadado 17 de junho de 2015, em Brasília, resolvemos, na semana seguinte, reunir em Fortaleza, naquele mesmo endereço da Praia de Iracema, os frequentadores do almoço do Paes para a última carneirada.

Nesse dia todos compareceram. Eram uns trinta. Dona Zildinha, ainda muito abalada, não veio, mas ficou, de Brasília, acompanhando em tempo real toda a reunião. Estavam ali muitos familiares, filhas, genros e netos. Antigos companheiros das jornadas políticas e várias gerações de admiradores reprisavam passagens épicas ou simplesmente hilárias daquele cavaleiro andante, que por décadas exercera mandatos legislativos e missões públicas com desenvoltura lhaneza e afilada competência.

Eu havia pintado um retrato do ilustre personagem, que, belamente emoldurado por providência de Carlos Castelo, deveria ser solenemente entronizado naquela sala em que ele costumeiramente nos recebia.

Houve discursos e relatos memoriais. E, quando foi descerrado o pano, declamei o poema composto de madrugada, sob forte impacto emocional e justificada dor: Cantiga de Saudade para Paes de Andrade.

Juarez Leitão, poeta, historiador, membro da academia Cearense de Letras e do Instituto do Ceará, com o brilho dos poetas relembrou Paes de Andrade.

Em Roma e Paris, como Adido Cultural, fui testemunha e participante do respeito com que era recebido pelas lideranças políticas e culturais, como o professor da Universidade de Coimbra, José Joaquim Gomes Canotilho, professor Diamantino Durão, Reitor da Universidade Lusíada de Lisboa a direção da Mason da l’Amérique Latine e tantos outros.

Paes de Andrade, o político, o jurídico, o militante democrático – editado pela Câmara dos Deputados, é o caloroso depoimento sobre uma época.

Freio de arrumação: Crise no governo Bolsonaro



A crise no governo Bolsonaro não acabou: tudo continua muito agitado, principalmente após a entrevista que o ex-ministro Bebianno deu à rádio Jovem Pan, acompanhada de vídeos.

Hoje a Folha vem com seu sinal de alerta

- Militares se queixam de filhos e de desarticulação do governo Bolsonaro

- Com crise, três ministros generais pedem freio de arrumação ao presidente

Vem ainda um texto inicial de uma ampla notícia da Folha, que aqui o blog transcreve:

O agravamento da crise política levou três expoentes da ala militar do governo ao encontro de Jair Bolsonaro (PSL) para expressarem a queixa do setor sobre a influência dos filhos do presidente e sobre a inoperância da articulação com o Congresso.

Segundo relatos, os generais da reserva e ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Fernando Azevedo (Defesa) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo) pediram um freio de arrumação.

José Aparecido de Oliveira: 90 anos!


Petrônio Souza Gonçalves


José Aparecido de Oliveira foi reconhecido em vida como “O Melhor Mineiro do Mundo”. Nascido em 17 de fevereiro de 1929, tudo foi muito precoce e intenso em sua vida, considerado por muitos como um dos maiores mineiros em todos os tempos. Aos 11 anos de idade perdeu o pai e assumiu a condução moral da família. Ao lado da mãe e mestra, Aracy Pedrelina de Oliveira, ajudou a criar os quatro irmãos mais novos: Genesco, Maria Aparecida, Alda e Modesto. Honrou até o último segundo de sua vida essa missão.

Antes dos 35 anos de idade já havia sido secretário particular do Presidente da República, Jânio Quadros; deputado federal eleito e depois cassado no Primeiro Ato Institucional do Golpe de 1964; e secretário de Estado de Minas Gerais, ocupando simultaneamente duas secretarias. Em linha direta do tio Clodomiro de Oliveira, José Aparecido de Oliveira era um brasileiro por excelência. Poucos homens exerceram tanto fascínio no meio político, cultural e intelectual do Brasil por tanto tempo.

Deputado cassado e gozando de notável prestígio, liderou uma pioneira campanha nacional pela preservação do município do Serro, em 1974. Pouco tempo depois participou da exitosa campanha de Tancredo Neves para o governo de Minas, sendo ele o segundo candidato a deputado federal com a maior votação no Estado naquele pleito. Criou e implantou a secretária de Estado de Cultura de Minas Gerais, sendo o primeiro secretário da pasta. Com livre trânsito no cenário político nacional, articulou a candidatura de Tancredo Neves para a presidência da República, sendo ela vitoriosa em votação indireta.

José Aparecido dizia que um povo sem cultural é como um corpo sem alma. Liderou e criou o Ministério da Cultura, sendo o primeiro ministro. A convite do presidente José Sarney, tornou-se governador do Distrito Federal, resgatando o Plano Piloto da Capital do país, junto com seus idealizadores: Lúcio Costa e Oscar Niemeyer. Liderou o tombamento de Brasília pela UNESCO, sendo ela a única cidade no mundo criada e tombada no mesmo século.

Sempre visionário, tinha um sonho: irmanar os povos do planeta pela Língua e quando assumiu a Embaixada Brasileira em Lisboa, liderou e implantou a CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, na presidência do amigo Itamar Franco. Ao fim do mandato de presidente, Itamar queria indicá-lo para a sua sucessão, o que não foi possível por Aparecido ter passado por uma complicada cirurgia. De volta a Minas, participou ativamente da exitosa campanha de Itamar Franco ao governo do Estado, que culminaria na defesa intransigente do patrimônio público de Minas Gerais e da CEMIG.

Em 19 de outubro de 2007 José Aparecido de Oliveira nos deixou, depois de ser vencido por um câncer. Podemos dizer que muitos ficaram órfãos de suas ideias, ideais e valores. Sua obra maior, o Ministério da Cultura, não existe mais. Aos poucos, vamos perdendo as referências de Aparecido e de nossa mineiridade, ficando mais pobres em nós mesmos. Sei que ele está, a cada dia, fazendo muito falta por aqui.

Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor

Com R$ 100 mi em casa, Paulo Preto secava notas no sol contra mofo, diz MP

Da Veja



Preso pela terceira vez nesta terça-feira, 19, o engenheiro Paulo Vieira de Souza, ex-presidente da Dersa conhecido como Paulo Preto, chegou a guardar a “exorbitante quantia”, nas palavras da procuradoria, de 100 milhões de reais em uma residência em São Paulo.

O valor corresponde ao dobro dos 51 milhões do bunker atribuído ao ex-ministro Geddel Vieira Lima e a seu irmão, o ex-deputado Lúcio Vieira Lima. Segundo o procurador Roberson Pozzobon, os fatos foram relatados à Operação Lava Jato pelo doleiro Adir Assad, que fechou um acordo de delação premiada.

Segundo Assad, a Odebrecht, empresa para a qual prestava serviços ilícitos, necessitava de outros operadores com “alto volume de recursos” para poder pagar em dinheiro propina a candidatos que disputavam as eleições de 2010. Já Paulo Preto, suspeito de ser operador financeiro do PSDB, tinha enorme quantia em espécie e precisava movimentar esses recursos para o exterior.

Então, segundo o MPF, a Odebrecht fez transferências dos valores em contas do ex-presidente da Dersa fora do Brasil e, por meio de Assad, coletou o dinheiro que este possuía em espécie no imóvel em São Paulo.

De acordo com Pozzobon, um detalhe que ele classifica como “escárnio tão grande” é que, em sua residência, Vieira de Souza possuiria “um quarto só para guardar notas de dinheiro”. Além disso, ainda pelo relato do MPF com base na delação de Assad, Paulo Preto colocava “as notas de reais para tomar sol, porque senão elas emboloravam”

Procurado, o advogado André Gehreim, que representa Paulo Vieira de Souza, afirmou que não vai comentar e que a defesa ainda não obteve acesso aos documentos que basearam a operação.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

O caminho da árvore dos enforcados


Jorge Oliveira


Rafina, Grécia – A foto exibida por Bolsonaro no Palácio da Alvorada, residência oficial do governo, cercado por seus ministros, onde ele aparece de chinelos, é o retrato mais fiel do desprezo que o capitão tem pelo cargo que exerce. Lá na minha terra, em Maceió, dava-se a isso o nome de maloqueiro, sinônimo de: maltrapilho, esfarrapado, farrapo, grosso, grosseirão. É dessa forma, com essa roupagem de indigente, que o capitão pretende conduzir o país pelos próximos quatro anos.

Se observarmos a imagem com mais atenção, é perceptível o constrangimento estampado na cara de cada um dos seus auxiliares com o flagrante. Como desabafou Bebianno, seu principal ministro, ao ser chutado do Palácio do Planalto, o país está sendo governado por um louco. Diante dessa constatação, ele agora pede desculpa à população por tê-lo ajudado a chegar à presidência.

É com o diagnóstico de esquizofrênico e adotando esses modos grosseiros, rudimentares e incivilizados que Bolsonaro se apresenta aos seus eleitores para governador o Brasil. Confunde bons modos, respeito e civilidade com populismo barato como se ainda estivesse no palanque. Falta pouco, muito pouco, para desfilar à beira-mar com um isopor na cabeça, como fez Lula nos seus dias de glória.

Incrível como os dois se parecem.

Bolsonaro avacalha-se na postura. Está longe de um grande líder, um estrategista que guia a nação com a sobriedade e equilíbrio.  Sem precisar, necessariamente, aparecer em cenas grotescas para se aproximar do seu povo, humilhando-o, desrespeitando-o, tratando-o como se ele fosse uma caricatura à sua semelhança.

Bolsonaro mostra-se um jeca.

Ainda está longe, muito longe de ser respeitado como um chefe de estado quando posa para fotografia como um mulambento.

Eu, o ex-deputado Milton Calado e o ex-vereador Marcelo Bezerra: conversa de três amigos


Hélcio Silva

Minha crônica do amanhecer

(19 / 02 / 2019)

Os amigos não conversam mais nas praças, como dantes! Cada um no seu canto distante, só parlando pela internet: não há mais tempo para boas conversas e bons abraços.

Vamos então contar uma história...

Sim! Uma história..., de fatos!

Há dois dias ou três – não sei bem – coloquei uma frase na face: 

“Quando vai acabar o mandato do prefeito, para a gente escolher um outro melhor? Bom dia povo!”

Foi um “Deus nos acuda”, chegando!

Aliás, nossa cidade precisa urgentemente desse acudir...

Que venha logo a Força de Deus nos acudir!

A cidade pede socorro!

SOS...

Na manhã de hoje, logo cedinho, o ex-vereador Marcelo Bezerra iniciou a conversa, pelo face:

“Acho que o amigo Hélcio poderia candidatar-se tem meu voto como certo, vou aguardar as eleições -  abraços”

Logo respondi ao Marcelo:

“Obrigado pela lembrança, porém, tem outros nomes de pessoas de bem..., vamos pensar uma São Luís diferente”

Logo a seguir, em espaço de dois minutos, o ex-deputado Milton Calado, grande amigo de velhas datas, comentou:

“Bom, meu caro Hélcio, primeiro vc precisa voltar pra São Luís, percorrer a Pça Deodoro e a do Panteon, constatar o recolhimento de lixo e de todo resíduo sólido, visitar escolas e postos médicos, depois comparar com que existia. Ah! Mas sem aquele Gurgel velho.”

Respondi ao meu velho e querido amigo, que até lembrou meu antigo gurgel:

“Meu caro Calado, bom dia. Há três anos que estou de volta definitiva para a nossa cidade. A obra da Deodoro não é obra da prefeitura. Você sabe que não é. A cidade está suja, abandonada. Nossas feiras estão sujas. Você conhece a feira da Cohab? Conhece a feira da Macaúba, próximo de onde morou o pai do prefeito? A feira da Macaúba é uma sujeira só, no centro da cidade. O nobre amigo sabe realmente como está funcionando a Saúde Pública da cidade?... Meu nobre amigo, que bom conversar com você, mesmo pelas linhas do face. Um dia sentaremos num banco de uma praça da cidade para um papo mais longo... Deus o ilumine!”

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Bebianno demitido



Bebianno é demitido...

Porta Voz do governo confirma a notícia

Estão costurando uma saída política para Bebianno: em campo a marca Onyx

Depende muito da máquina encarregada da costura.

Nada em política é impossível...

É a volta da velha política? Tão cedo?

Tudo é possível...

E, pelo que lí, essa costura não é de um gênio da máquina Singer...

Dizem que os pontos são da marca Onyx, um poderoso gênio da atual República.

Pois é!...

Li agora no site O Antagonista a seguinte notícia:

"Quem mais trabalha para uma saída honrosa para Gustavo Bebianno é o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

A ideia de acomodar Bebianno numa embaixada é dele, segundo apurou O Antagonista. No topo da lista, estão Lisboa e Roma."

Onyx - o gênio

Ardem-se as cabeças pensantes: mas Bolsonaro pode demitir Bebianno, hoje.

Nada tranquilo no Palácio.


São três e meia da tarde. 

É um andar de pernas pra lá e pra cá, pelos corredores e salas do Palácio...

Leio um texto na Uol...

É um texto quase certeza...

Leiam abaixo:
  
“Segundo uma pessoa ligada ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), Bebianno será demitido ainda hoje, em exoneração publicada em edição extra do Diário Oficial da União...”

A Fogueira tá feia: Não é fogo de palha nem fogos de São João!!!

A República arde: cada frase é uma brasa quente!


 'Não tenho medo de briga, devolverei ameaças em triplo', diz Bebianno

Ministro diz ter recebido ameaças depois de ter telefone divulgado

'De hoje não passa', diz Mourão sobre anúncio de demissão de Bebianno

Josias: Bolsonaro desdenha de retaliação de Gustavo Bebianno

'Ex-prefeita ostentação' sofre novamente condenada por fraude em licitação em Bom Jardim

A ex-prefeita foi condenada devido a uma fraude em um processo de licitação que envolveu mais duas pessoas e uma empresa.


A ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite da Silva, que ficou conhecida como 'prefeita ostentação', e outros duas pessoas e uma empresa foram condenados pela Justiça do Maranhão por improbidade administrativa referente a fraudes na licitação nº 01/2013. Foram condenados ainda Humberto Dantas dos Santos e Raimundo Antônio Carlos Mendes, além da empresa Petlas Construções e Serviços LTDA. Lidiane Leite ficou famosa pela vida luxuosa que levava sempre divulgando tudo que podia nas redes sociais, enquanto exercia o cargo de prefeita.

Todos foram condenados a ressarcir o município na ordem de R$ 915.074,57, o que corresponde ao valor do contrato investigado. Entre outras penalidades, foram condenados ainda a suspensão dos direitos políticos por cinco anos, pagamento de multa civil equivalente a duas vezes o valor do dano.

Conselho Superior do Ministério Público do Maranhão aprova remoção de cinco promotores



Na manhã desta segunda-feira, 18, o Conselho Superior do Ministério Público do Maranhão, em sessão realizada na Procuradoria Geral de Justiça, em São Luís, aprovou cinco remoções na carreira dos membros da instituição. Todas por critério de antiguidade.

O promotor de justiça José Frazão Sá Menezes Neto foi removido da comarca de Monção para a de Cururupu. A promotora de justiça Isabelle de Carvalho Fernandes Saraiva deixa a Comarca de Zé Doca para assumir a 1ª Promotoria de justiça da comarca de Viana. Já o promotor de justiça Guilherme Gouvêa Fajardo sai da Comarca de Turiaçu para a de Montes Altos.

O promotor de justiça Hélder Ferreira Bezerra também teve a sua remoção aprovada, da comarca de Arame para a de Santa Quitéria, enquanto o promotor de justiça Leonardo Soares Bezerra deixa a comarca de Pastos Bons para atuar em São Francisco do Maranhão.

Presidiu a sessão do Conselho Superior do Ministério Público do Maranhão o procurador-geral de justiça, Luiz Gonzaga Martins Coelho.

Também participaram da sessão os procuradores de justiça Eduardo Jorge Hiluy Nicolau, corregedor-geral do MPMA; Francisco das Chagas Barros de Sousa, Sandra Lúcia Mendes Alves Elouf, Mariléa Campos dos Santos Costa, Carlos Jorge Avelar Silva e Domingas de Jesus Froz Gomes.

Cinco ações propostas pela Promotoria de Justiça da Comarca de Paraibano, no Maranhão

PARAIBANO - Ações por improbidade do MPMA levam à indisponibilidade de bens



Cinco ações propostas pela Promotoria de Justiça da Comarca de Paraibano levaram a Justiça a conceder liminares decretando a indisponibilidade dos bens de Almiran Pereira de Souza (secretário municipal de Finanças), Márcio Roberto Silva Mendes (presidente da Comissão Permanente de Licitação) da empresa J.A.C. Sá Construções Ltda. - EPP e de seus sócios João Américo Castro Sá e Gerre Fernandes de Sá.

As ações apontam uma série de irregularidades em cinco contratos firmados entre a Prefeitura de Paraibano e a empresa. O valor total bloqueado chega a R$ 2.445.343,40.

Uma das ações refere-se à licitação para a reforma e ampliação do Parque de Vaquejada Antônio Pedro, cujo contrato foi de R$ 914.969,04. Outra trata do contrato firmado para a reforma de um campo de futebol, com valor de R$ 75.816,18. Já a reforma dos postos de saúde do município, que também é questionada pelo Ministério Público, foi contratada por R$ 671.586,89.

O caos existe por culpa do nosso silêncio


Hélcio Silva

(18 / 02 / 2019)

Se você fizer um levantamento criterioso sobre as administrações públicas nos municípios do Maranhão encontrará a maioria em estado de caos.

Vivemos tempos de maus prefeitos!

Dos quatro prefeitos da Ilha de São Luís (Ilha com 4 cidades), quem está se destacando como um prefeito eficiente?

Pensando bem.... Nenhum!

Desço por outros rumos, e me pergunto: visitando uma trilha de municípios da baixada, encontrarei algum prefeito nota dez? Não...

Maioria nota zero!... Outros de nota entre 2 e 3...

Com dificuldade encontrarei um de nota 5...

Isso é verdade...

Somente para lembrar, sei de algumas cidades sem gestões públicas de qualidade – cidades mergulhadas no caos - tais como: Viana, Penalva, 
Matinha, Olinda, São João Batista, São Vicente, São Bento... e outras mais.

Com a riqueza que a baixada tem, merecia bons prefeitos!

As cidades da baixada mereciam melhor sorte!

E eles - os prefeitos delas - continuam sendo lideranças políticas em suas cidades...

A culpa é do nosso silêncio!

A REPÚBLICA ARDE: BOLSONARISMO NA RODA DO FOGO


Hélcio Silva

(18 / 02 / 2019)


Estou a pensar!

Estou em Curitiba ou São Luís?

Vejo a lenha lá no alto...

Medito!

Nessa lenha tem mais gasolina. 

E com mais gasolina, o fogo não fica só na brasa!

“Lenha queimada, em fogo alto, é labareda”, diria de avó...

É língua de fogo!

Hoje é segunda-feira: ou é dia de mais encrenca na República ou fim de encrenca...

Bebianno sai ou fica? Parece que sai – Já tem general na fila.

Leio nas páginas do MSN Notícias um texto da catraca livre que cita a veja como fonte...que começa com a dúvida se Gustavo Bebianno vai se vingar...

Vejam o texto:   

O grande suspense no Brasil é saber se Gustavo Bebianno, que deve ser demitido da secretaria-geral da Presidência, vai se vingar – ou se tem mesmo munição.

Neste domingo, ele disse um emissário de Jair Bolsonaro, segundo a Veja, que tem “papéis e documentos” capazes de fazer estragos, revelando segredos da campanha eleitoral e da transição.

Ex-presidente do PSL, Bebianno foi um dos principais auxiliares de Bolsonaro na campanha e participou de toda sua estratégia e implementação.

Trecho da nota da Veja

Foi perguntado sobre possíveis gravações, como conversa de celulares. Nada respondeu.

Em sua coluna no G1, o jornalista Gerson Camarotti captou um pedido de desculpas de Bebianno ao Brasil, por ter ajudado a eleger o presidente.

“Preciso pedir desculpas ao Brasil por ter viabilizado a candidatura de Bolsonaro. Nunca imaginei que ele seria um presidente tão fraco”, disse Bebianno para um aliado, numa referência à influência dos filhos do presidente nos rumos do governo, especialmente o vereador Carlos Bolsonaro.

Lauro Jardim captou essa frase:

“Perdi a confiança no Jair. Tenho vergonha de ter acreditado nele. É uma pessoa louca, um perigo para o Brasil.”