Busca

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Curitiba fecha acordo com Araucária para que passageiros voltem a pagar uma só passagem


Um acordo firmado entre as prefeituras de Curitiba e Araucária, na região metropolitana, vai permitir que os usuários do transporte coletivo voltem a se deslocar entre as duas cidades pagando apenas uma passagem. O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira (16) pelos prefeitos Gustavo Fruet e Olizandro Ferreira, pouco antes da inauguração da nova Unidade de Saúde Coqueiros, no Sítio Cercado.
O acordo prevê que, inicialmente, duas linhas que fazem o transporte local em Araucária sejam estendidas até o Terminal Pinheirinho, onde o usuário poderá fazer integração seguindo para qualquer ponto de Curitiba sem pagar nova passagem. Na prática, a parceria entre os dois municípios restabelece a integração em Araucária, onde o transporte foi desintegrado a partir do momento em que a Comec assumiu, em fevereiro, o gerenciamento do transporte metropolitano, antes feito pela Urbs.

“Este é um primeiro passo, e a proposta é que as cidades trabalhem em conjunto para buscar soluções. A população, o usuário do transporte coletivo, não pode pagar por eventuais dificuldades técnicas e financeiras do Governo do Estado”, disse o prefeito Gustavo Fruet ao celebrar o acordo. “O momento não é de desavenças e troca de acusações e sim de respostas aos problemas da sociedade. Não podemos simplesmente esperar e por isso esse acordo com Araucária. O cidadão que gasta mais de R$ 13,00 para vir e voltar a Araucária agora vai gastar a metade disso, porque só vai pagar uma passagem para vir e outra para voltar”, afirmou.
O prefeito de Araucária, Olizandro José Ferreira, disse que o acordo com Curitiba representa um momento histórico e viabiliza uma solução para o problema criado pela desintegração do transporte na cidade. “Com essas duas linhas vamos atender a população da cidade que se desloca para Curitiba e que hoje tem que pagar duas passagens para vir e duas para voltar”, afirmou.
Olizandro também afirma que este é um primeiro passo e considera o acordo promissor. “Fica cada vez mais claro que as metrópoles precisam pensar e atuar em conjunto com os municípios vizinhos e é o que estamos fazendo nesse caso, usando a estrutura e a boa vontade dos dois municípios em resolver um problema em uma área essencial, como é o transporte”, afirmou.
Detalhes da operação
Os detalhes técnicos da operação – como frota e horários – serão definidos nos próximos dias pelas equipes técnicas da Urbs e da CMTC. Os presidentes das duas empresas, Roberto Gregório da Silva Junior e Sandro Martins, acreditam  que seja possível que as duas linhas de Araucária comecem a operar no Pinheirinho dentro de dez dias.
O presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Junior, explica que essa foi a forma encontrada para atender usuários que, desde fevereiro, têm que pagar duas passagens para se deslocar de Araucária para Curitiba. Até fevereiro, quando o sistema era gerenciado pela Urbs, todos os usuários do transporte metropolitano integrado pagavam apenas uma tarifa para se deslocar de sua cidade para qualquer ponto da capital.
A CMTC é uma empresa municipal que gerencia o transporte coletivo local – os deslocamentos internos no município e os alimentadores, que fazem o deslocamento entre os bairros e os terminais de Araucária (Central e Angélica). A operação dos ônibus a partir dos dois terminais até Curitiba é gerenciada, desde fevereiro, pela Comec.
A busca de uma solução conjunta entre Araucária e Curitiba foi motivada por uma série de problemas enfrentados pelos usuários por medidas tomadas pela Comec a partir de fevereiro. Entre elas, a desintegração do transporte dentro do município de Araucária – o usuário paga uma passagem no alimentador (CMTC) e outra no Terminal (Comec); a extinção da linha Angélica/CIC, que circulava na Cidade Industrial atendendo funcionários das empresas; e a redução do trajeto com mudança de rota do Ligeirinho Araucária/Curitiba.
O acordo entre os dois municípios foi comunicado à Comec, que continuará responsável pelo gerenciamento das linhas metropolitanas que fazem a ligação dos municípios vizinhos com Curitiba – o que inclui o ligeirinho Araucária/Capão Raso (antigo Araucária/Curitiba). A Urbs, afirma Gregório, está aberta a discutir acordos semelhantes com outros municípios de forma a colaborar com o transporte metropolitano.

Gerenciamento
Até 31 de dezembro do ano passado o gerenciamento de toda a Rede Integrada – Curitiba mais 13 municípios metropolitanos – era feito pela Urbs. Com a não renovação do convênio por parte da Comec, foi feita a separação financeira do sistema. Por determinação do prefeito Gustavo Fruet, Curitiba manteve a integração operacional, o que significa que o usuário metropolitano que chega de ônibus aos terminais e estações tubo de Curitiba continua usando o sistema urbano sem pagar nova passagem.
O sistema foi desintegrado em Araucária, onde o cidadão passou a pagar uma passagem no alimentador (CMTC) e outra nos terminais de Araucária (Central e Angélica), para usar linhas gerenciadas pela Comec, tendo acesso ao sistema gerenciado pela Urbs sem pagar nova passagem.
Atualmente a ligação entre os dois municípios é feita pelas linhas Araucária/Pinheirinho; Araucária/Portão e pelo Ligeirinho Araucária/Capão Raso. Até fevereiro, esta linha era a Araucária/Curitiba, com trajeto mais longo, passando pelo Terminal CIC e chegando até a Praça Rui Barbosa.
Nesta semana, sem análise técnica da Urbs a Comec buscou implantar uma linha ligando Araucária ao Terminal CIC o que se mostrou completamente inviável. A linha que existia até fevereiro – Angélica/CIC, tinha um ônibus a cada 70 minutos, usando por isso a plataforma de outros alimentadores, e transportava 470 passageiros que seguiam para a Cidade Industrial.

A linha que a Comec queria implantar transportaria até 15 mil passageiros que não teriam opções para se deslocar ao centro de Curitiba e ao Eixo Sul. O acordo firmado pelas prefeituras de Curitiba e Araucária vai atender a estes mesmos usuários que vão pagar só uma passagem para chegar a Curitiba e terão, no Pinheirinho, um número bem maior de opções, aí incluídos três linhas de Ligeirinho e quatro de biarticulados.

Nenhum comentário: