Busca

terça-feira, 30 de maio de 2017

António Guterres lança plano para avançar ação climática no planeta

Secretário-geral anuncia cinco pontos para alcançar o objetivo no discurso "Ação Climática: Mobilizar o Mundo”; prioridade é ajudar a elevar padrão de ação climática junto aos políticos; chefe da ONU deixa "porta aberta para os que têm perspetivas diferentes".

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

O secretário-geral da ONU apresentou esta terça-feira um plano para envolver governos, empresas e sociedade civil no que chamou de "ação mais ambiciosa sobre as mudanças climáticas" para beneficiar a geração atual e as futuras.

Discursando na NYU Stern School of Business, da Universidade de Nova Iorque, António Guterres disse estar empenhado em mobilizar o mundo para enfrentar o desafio em pelo menos cinco maneiras concretas.

Passos

A primeira será reforçar a participação política de alto nível para elevar o padrão de ação climática.
O seu passo imediato será fazer pressão para a ratificação da Emenda de Kigali ao Protocolo de Montreal sobre Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio. O documento prevê o fim gradual dos hidrofluorocarbonetos.

Guterres vê a Conferência Mundial dos Oceanos, que ocorre na próxima semana, como mais uma oportunidade de criar impulso.

Verdadeira mudança

Em segundo lugar, o secretário-geral quer reunir toda a capacidade do sistema de desenvolvimento da ONU em apoio à ação climática e à Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, especialmente ao nível nacional. Ele considera que é aí onde a "verdadeira mudança será alcançada."

No terceiro ponto, Guterres promete usar o poder de convocação das Nações Unidas para trabalhar com governos e representantes das indústrias do carvão, do petróleo e do gás para acelerar a transição necessária.

A promessa é trabalhar para promover uma transição energética global, tornar os investimentos em infraestruturas "amigos do ambiente", além de progressos na fixação dos preços de carbono.

O quarto ponto no plano de Guterres é atuar com os países para mobilizar recursos nacionais e internacionais para apoiar áreas como mitigação, adaptação, resiliência e implementação de planos de ação climática dos países.

Estados insulares

Guterres disse que vai se concentrar em reforçar a resiliência dos pequenos estados insulares contra a "ameaça existencial" que a mudança climática lhes coloca.

O chefe da ONU promete ainda encorajar os países desenvolvidos a cumprir as promessas feitas às nações em desenvolvimento, que incluem o Fundo Verde do Clima.

Como quinto e último passo, Guterres afirmou que vai estimular parcerias novas e reforçadas para implementar o Acordo de Paris através da cooperação Norte-Sul, Sul-Sul e triangular. Para ele, é preciso aproveitar o seu "enorme potencial".

Cúpula em 2019

Guterres disse que vai "usar todas as oportunidades possíveis para persuadir, estimular e impulsionar o avanço", em todas as áreas do seu plano, contando com a força da sociedade civil.

O chefe da ONU quer convocar uma cúpula dedicada ao clima em 2019 para garantir uma primeira revisão crítica da implementação do Acordo de Paris "com os bons ventos da economia verde".

Guterres declarou que suas portas estão abertas para todos os que queiram discutir o caminho a seguir, mesmo "os que possam ter perspetivas divergentes." Ele declarou que o diálogo sobre o clima deve "deixar de ser feito aos gritos".

Para ele, continuará a haver fortes diferenças quanto à forma de alcançar os objetivos climáticos.

Nenhum comentário: