Busca

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Também na Bíblia, o carma de dor tem reparo do mal praticado


José Reis Chaves

O pecado é contra as leis de Deus, porém, não é Ele que sofre com o pecado, mas a vítima e, por consequência, quem faz o pecado. É assim na Bíblia e nas escrituras sagradas de outras religiões. “Se pecas, que mal lhe causas tu? Se as tuas transgressões se multiplicam, que lhe fazes?” (Jó 35: 6). “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifara” (Gálatas 6: 7). “Como tu fizeste, assim se fará contigo: o teu malfeito tornará sobre tua cabeça” (Obadias 1: 15).

“Aquele que escala a montanha, mais cedo ou mais tarde, terá de descê-la. Aquele que despreza o outro, será desprezado (...). Essa é a lei geral de causa e efeito” (Budismo: Carta de Sado). E quando dizemos que Deus é justo, na verdade estamos nos referindo à sua lei inexorável de causa e efeito, chamada também lei da semeadura livre, mas da consequente colheita.

E eis um exemplo bíblico de que o malfeito a uma pessoa exige de nós a “dor” da reparação: “Se o boi chifrar um escravo ou uma escrava, dar-se-ão trinta siclos ao senhor destes, e o boi será apedrejado” (Êxodo 21: 32). O versículo 32 citado e o 29 não citado demonstram-nos que o dono do boi, sabendo que ele é brabo, pecou por não o prender, tendo, pois, culpa na morte do escravo ou escrava, pelo que tinha que sofrer pela colheita da sua “semeadura irresponsável” a sua consequência, qual seja a de pagar ou indenizar o dono da escrava ou do escravo morto pelo boi. Isso no judaísmo se chama “donativo expiatório”, o que, sem dúvida é correto, pois é a vítima do malfeito que tem de receber a reparação, isso sem falar na morte dos escravos! Sim, como já dissemos, não é Deus que sofre, mas a vítima do nosso erro ou pecado, e com a qual tem que ser feita a reparação, reparação essa que é a colheita do que semeamos. E não se trata, pois, de um castigo de Deus, mas do funcionamento da lei divina de causa e efeito, a qual é manipulada por nós mesmos pelo nosso livre-arbítrio. Aliás, a palavra castigo deriva do verbo latino “castigare”, que significa “purificar” (ficar limpo de um pecado). Daí que a palavra castidade deriva também da mesma raiz de “castigare”.

E na confissão católica auricular ou particular, quando o pecado da pessoa é um prejuízo grave dado a alguém, o padre lhe dá a absolvição somente depois da reparação do prejuízo causado à vítima de seu pecado, o que demonstra também que, além do arrependimento, a Igreja exige igualmente do penitente que ele quite o seu carma de “sofrimento” e faça a reparação que, aliás, é a prova de seu verdadeiro arrependimento.

E eis um exemplo bíblico de tudo que estamos dizendo constante do evangelho de são Mateus: “Porque o Filho do homem há de vir na glória de seu Pai, com seus anjos, e então retribuirá cada um conforme suas obras” (Mateus 16: 27), o que confirma também a inexorável lei de causa e efeito, repetida também em Mateus 5: 26: Ninguém deixará de pagar todos os seus pecados do primeiro até o último, ou seja, até o último centil. E é por isso que existe a dádiva de Deus da reencarnação, quantas forem necessárias, pois quando o indivíduo não puder pagar seu carma de sofrimento e a reparação com a vítima do seu pecado, é em outra reencarnação que ele terá a sagrada oportunidade da bênção divina de quitar seu débito cármico, depois do que poderá então passar pela difícil porta estreita da salvação!

Nenhum comentário: