Busca

sábado, 17 de junho de 2017

Editorial: o grito dos pobres


Cidade do Vaticano (RV) - “Somos chamados a estender a mão aos pobres” diante do ampliar-se da pobreza no mundo de hoje. “Não podemos ficar inertes e muito menos resignados”. Temas que o Papa Francisco toca na sua mensagem para o 1º Dia Mundial dos Pobres que se realizará no dia 19 de novembro. Naquela ocasião, após a Santa Missa na Basílica de São Pedro, Francisco irá almoçar com 500 pobres.

A questão da pobreza deve se tornar central, também e, sobretudo, para os cristãos. E Francisco, de fato, na sua mensagem, escreve que “se queremos encontrar realmente Cristo, é necessário que toquemos o seu corpo no corpo cheio de chagas dos pobres, como resposta à comunhão sacramental recebida na Eucaristia”. Em síntese, a ajuda não pode ser ocasional, quase como um desencargo da consciência.

Francisco chama a atenção para o fato que se “desejamos oferecer a nossa contribuição eficaz para a mudança da história, gerando um verdadeiro desenvolvimento, é necessário que escutemos o grito dos pobres e nos comprometamos a tirá-los da sua condição de marginalização”. Ao mesmo tempo, “aos pobres que vivem nas nossas cidades e nas nossas comunidades” Francisco recorda de não perderem o sentido da pobreza evangélica que eles trazem imprimido em sua vida.

Os pobres não são um problema, são um recurso a quem buscar para acolher e viver a essência do Evangelho.

Há uma riqueza desavergonhada que se acumula nas mãos de poucos privilegiados. E então o Papa escreve que a pobreza “nos interpela todos os dias com as suas mil faces marcadas pela dor, pela marginalização, pelo abuso, pela violência, pelas torturas e pela prisão, pela guerra, pela privação da liberdade e da dignidade, pela ignorância e pelo analfabetismo, pela emergência de saúde e pela falta de trabalho, pelo tráfico de pessoas e pela escravidão, pelo exílio e pela miséria, pela migração forçada. A pobreza tem rosto de mulheres, de homens e de crianças explorados por vis interesses, pisoteados pelas lógicas perversas do poder e do dinheiro”.

Diante de um cenário como esse não podemos permanecer inertes e muito menos nos resignarmos escreveu Francisco na sua mensagem sublinhando ainda que são “benditas as mãos que superam todas as barreiras de cultura, de religião e de nacionalidade derramando óleo de consolação sobre chagas da humanidade”.

Na apresentação da mensagem Dom Rino Fisichella, Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização afirmou que não serve pensar “nos pobres somente como destinatários de uma boa prática de voluntariado a ser feita uma vez por semana, ou tanto menos de gestos extemporâneos de boa vontade para colocar em paz a consciência”. Essas experiências, mesmo sendo válidas e úteis a sensibilizar às necessidades de tantos irmãos e às injustiças que frequentemente são a causa, deveriam levar a um verdadeiro encontro com os pobres e dar lugar a uma partilha que se torne estilo de vida.

Portanto, Francisco passa das palavras e concretiza ações: anuncia o Dia Mundial dos Pobres e convida “toda a Igreja, os homens e mulheres de boa vontade”, a manterem fixo o olhar sobre aqueles que estendem a suas mãos pedindo a nossa ajuda e nossa solidariedade.

Assim o dia 19 de novembro será uma oportunidade, uma ocasião para toda a comunidade cristã estender a sua mão aos pobres aos fracos, aos homens e mulheres a quem muitas vezes são pisoteadas a sua dignidade.

Na mensagem Francisco destaca que o fundamento de tantas iniciativas concretas que poderão ser realizadas neste dia deve ser sempre a oração. Não devemos esquecer que o Pai Nosso é a oração dos pobres. O pedido de pão, de fato, exprime a entrega a Deus de nossas necessidades primárias.

Será um dia para reagirmos à cultura do descarte e do desperdício, fazendo nossa a cultura do encontro. (Silvonei José)

Nenhum comentário: