Busca

sábado, 4 de abril de 2015

Governo de que, mesmo?

Edson Vidigal











Ao inspirar ânimo na militância incitando-a a defender o Governo da Dilma, o Presidente nacional do PT evocou um fato histórico ocorrido no Chile quando começaram os protestos que culminaram com a deposição do Presidente Allende – “É um Governo de merda, mas é o meu Governo”.
Para neutralizar certamente eventuais patrulhamentos, o Presidente nacional do PT esclareceu que o argumento foi disseminado pelas esquerdas ao defenderem o mandato do primeiro Presidente eleito por uma forte coligação de comunistas e socialistas e logo aditou – “O Governo (o da Dilma) não é de merda, mas é o nosso Governo, e temos de defendê-lo”.
Mas por que tamanho cuidado para que o lema tão transparente, sem subterfúgios, dos camaradas chilenos não soasse no Brasil destes tempos de agora como repeteco do que por lá, afinal, acabou mal, muito mal?
Por cá todos sabemos que merda no teatro, por exemplo, é uma palavra com sentido da maior seriedade. Dir-se-ia sagrada. Na estreia da peça, e só vale na estreia, um ator ou atriz não pode desejar boa sorte ao colega que entra em cena porque isso por mil razões dá é azar. Então lhe deseja merda. Não pode haver retribuição com a intensidade do mesmo afeto porque isso também, ao que se acredita, dá muito azar.
Eu não saberia dizer qual a relação que esses cuidados a ponto de se evitar uma palavra tão poderosa têm a ver com o humor do povo brasileiro. Ou saberia?
Pela pesquisa do Ibope que saiu ontem, o povo brasileiro está dizendo que nessa época em que tudo está subindo, incluindo os preços dos alimentos e dos remédios, subiu também consideravelmente a taxa de reprovação do Governo da Dilma para 64%. Subiu também, e agora para 74%, o percentual das criaturas que não confiam mais em sua pessoa.
Tem razão o Presidente nacional do PT. O Governo não é de merda, não. Mas pelos índices de rejeição, não obstante, este não é o Governo da maioria absoluta do povo brasileiro.
Por falta de verbas o Brasil travou também os projetos de desenvolvimento cientifico e tecnológico. Consola saber que os cientistas lá de fora não desistiram da busca por coisas boas para a humanidade.
Agora, por exemplo, a equipe de Kathleen Smith, da United States Geological Survey, confirmou haver descoberto metais como platina, prata e ouro em resíduos de fezes humanas. Outro estudo comprovou que as fezes de um milhão de americanos poder render até 13 milhões de dólares em metais preciosos.
Olha só que alternativa para o meio ambiente na nossa amazonia, mais precisamente em Serra Pelada!
E tem mais – o Bill Gates, um dos homens mais ricos do mundo financia a criação de equipamentos que transforma excrementos humanos, ou seja, a merda e o mijo propriamente ditos, em agua potável e em eletricidade. Assim, acredita estar contribuindo para salvar vidas incontáveis no planeta. O próprio Bill já provou da sua agua e aprovou.
Talvez por isso que nos parques da Coreia do Sul há monumentos em que homens, mulheres crianças, arriando as calças, celebram a nova futura riqueza do planeta.
Olha o Maranhão aí chegando na passarela, gente!

Edson Vidigal, Advogado, foi Presidente do Superior Tribunal de Justiça e do Conselho da Justiça Federal.

Nenhum comentário: