Busca

domingo, 26 de abril de 2015

Uso racional de água na agricultura é tema da Embrapa na 22ª Agrishow

Do Portal Embrapa /Notícias

 Celulares e tablets podem acessar os serviços e recursos do Agritempo
Mostrar o conhecimento científico gerado nas últimas décadas sobre como utilizar água na agricultura com racionalidade e sem desperdício. Esse é o tema da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento-Mapa, na 22ª Agrishow, a maior feira de tecnologia agrícola da América Latina, que ocorre em Ribeirão Preto (SP), de 27 de abril a 1º de maio.
A Embrapa estará presente em dois espaços da feira. No estande do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e no Núcleo de Tecnologias (área de plots para demonstração de campo da Agrishow), com 14 unidades da empresa apresentando soluções tecnológicas desenvolvidas ou adaptadas para diferentes biomas, que mostram como usar a água na produção vegetal e na criação animal, sistemas de produção integrados, grãos, forrageiras, softwares e sistemas de informação, tecnologia de aplicação de defensivos, agricultura de precisão, entre outras.
Como destaque da Embrapa serão apresentados dois sensores de baixo custo para irrigação (Diédrico e IG), desenvolvidos para determinar a umidade do solo no campo e em jardins e, assim, evitar irrigação desnecessária, excesso e falta de água. São sensores que podem ser produzidos com diferentes especificações adaptados a diferentes necessidades e custo competitivo no mercado, que já estão em processo de produção industrial e devem estar disponíveis ainda neste primeiro semestre de 2015 para comercialização por empresas brasileiras e norte-americanas.

O sensor Diédrico é formado por duas placas, uma de vidro e outra de cerâmica; ambas de vidro ou ambas de cerâmica. Esse sensor pode ser de leitura visual, pneumática ou elétrica e funciona como um termômetro que, em vez de temperatura, mede a força com que a umidade é retida no solo e nos substratos.

O outro tipo de instrumento, batizado de sensor IG, foi desenvolvido em três versões. Em miniatura, funciona em conjunto com um irrigador comercial, que a empresa Acqua Vitta Floral está adaptando para possibilitar rega automática. O sensor em solo seco se torna permeável ao ar e libera automaticamente o gotejamento, a partir de um reservatório hermético, que pode ser uma garrafa rígida de plástico transparente. É mais indicado para uso em vasos e mini-hortas. O sensor IG é instalado entre as raízes das plantas.

O sensor IG utilizado no regador doméstico automático é formado por um bloco de cerâmica poroso contendo, em seu interior, partículas de dimensões adequadas, que podem ser esferas de vidro, por exemplo. O diâmetro das esferas determina a faixa de umidade do solo medida em uma escala de tensão ou força com que a água está retida.
Os sensores IG de uso agrícola para leitura em apenas uma profundidade serão fabricados com comprimento de dez centímetros e com especificações técnicas diferenciadas para o manejo de irrigação de frutas, hortaliças, e outras aplicações agrícolas.

A terceira versão é o IG Dual para leitura em duas profundidades. O aparelho pode, por exemplo, ter 15 ou 30 cm de comprimento e é destinado para instalação vertical nas profundidades de 30 e 60 cm. As duas versões, para uma e duas profundidades, seguem o mesmo modo de funcionamento do IG para irrigação doméstica, mas são destinados ao uso agrícola.

Em tempos de escassez dos recursos hídricos, a tecnologia vem como uma importante aliada na hora de economizar água para irrigar, seja no campo ou na cidade.
Além dos sensores, outro destaque da Embrapa é apresentação do SOMABRASIL – Sistema de Observação e Monitoramento da Agricultura no Brasil, que reúne num único ambiente bases de dados de recursos naturais e da agricultura provenientes de várias fontes.

Lançamento  Agritempo  versão para celular

Desde o preparo da terra até a colheita da safra, é fundamental saber quais são as condições climáticas e as previsões meteorológicas. Importante ferramenta para obtenção de dados climáticos, o Sistema de Monitoramento Agrometeorológico - Agritempo, disponível na internet, acaba de ganhar uma versão para dispositivos móveis. Desenvolvido para o sistema operacional Android pela Embrapa Informática Agropecuária (SP) e parceiros, o aplicativo é gratuito e encontra-se disponível para download. Os profissionais já trabalham no desenvolvimento de versão para o sistema iOS.

O Agritempo fornece informações importantes para as atividades agrícolas, como mapas de estiagem, chuvas, disponibilidade de água no solo, temperaturas máximas e mínimas e previsão do tempo. Esses dados são fornecidos por região ou estado e em tempo real. A nova versão vai levar mobilidade ao serviço que poderá ser melhor acessado diretamente no campo. Outra característica da versão móvel são os dados associados à localização do usuário que é fornecida automaticamente pelo sistema de posicionamento global (GPS) do celular ou tablet.
Haverá uma demonstração pública no lançamento do aplicativo no dia 27 de abril na 22ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola – Agrishow, em Ribeirão Preto (SP), no estande do Mapa, às 13h30.
Novo parceiro na Rede de Fomento da ILPF
No dia da abertura oficial da Agrishow, a empresa Schaeffler assinará contrato para participar oficialmente da Rede de Fomento à integração Lavoura-Pecuária-Floresta, coordenada pela Embrapa. O foco principal da Rede de Fomento é aumentar a adoção da tecnologia ILPF junto aos produtores rurais brasileiros. Para isso, as instituições integrantes da Rede participam com investimentos financeiros e comprometem-se com a manutenção de unidades de referência tecnológica com sistema ILPF, que contam com a participação de Unidades Descentralizadas da Embrapa. Atualmente, fazem parte da Rede, Cocamar, John Deere, Dow Agrociences, Parker e Syngenta.
O sistema de ILPF será também apresentado no Núcleo de Tecnologia da Agrishow, com plots diversificados com modelos de sistemas ILP (Integração Lavoura-Pecuária) e com palestras ministradas por técnicos da Embrapa. A área de 16 ha no sistema ILPF possue três anos de implantação. Visitas a esta área durante a feira poderão ser feitas pelo sistema de "trenzinhos" da Agrishow, ou pela Van disponibilizada pela Embrapa para o transporte de pequenos grupos.
Quem passar pelo estando do Mapa também vai obter informações sobre como participar do Congresso Mundial sobre Sistemas de Integração  Lavoura-Pecuária –Floresta-ILPF no Brasil, que será realizado entre os dias 12 e 17 de julho deste ano. O Congresso Mundial sobre ILPF reunirá especialistas dos cinco continentes que apresentarão trabalhos de pesquisa e debaterão os desafios da produção agropecuária.
Temas atuais e importantes estarão nas pautas de discussão: mudanças climáticas, aumento da produção de alimentos visando ao crescimento populacional, escassez de recursos, preservação ambiental e muitos outros.
O evento irá produzir um documento a ser apresentado durante a "Conferência das Partes da Convenção - Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 21), no fim de 2015. Mais informações: www.wcclf2015.com.br
Espaço de negócios
No estande da Mapa, os visitantes interessados nas tecnologias desenvolvidas pela Embrapa têm no Espaço de Negócios a oportunidade de realizar articulação sobre parcerias e mercado de cultivares. Como novidade, os plásticos comestíveis, resultado de duas décadas de pesquisas e de investimentos da ordem de R$ 200 mil, estarão pela primeira vez na Agrishow. Desenvolvidos à base de diferentes alimentos como espinafre, mamão, goiaba, tomate, beterraba, maracujá, entre outros.

Entre as vantagens desses filmes estão o reaproveitamento de rejeitos da indústria de alimentos e a substituição de material sintético, que é descartado após o uso. Os filmes têm a mesma resistência e textura dos plásticos convencionais, mas podem aumentar o tempo de vida do alimento com a adição de propriedades bactericidas. O trabalho de desenvolver filmes a partir de frutas tropicais é pioneiro no mundo.

Outras novidades

Etanol celulósico a partir de microalgas
A matéria-prima do futuro para produção de etanol poderá vir da água. A Embrapa vai apresentar pesquisas com microalgas para produção desse e de outros biocombustíveis. As microalgas são microrganismos capazes de realizar fotossíntese para produzir biomassa, encontrados em água doce, salgada e salobra. Já são cultivadas comercialmente fora do Brasil, em tanques a céu aberto ou em fotobiorreatores fechados, para a produção de cosméticos, rações e alimentos funcionais. Atualmente, instituições de pesquisa no País e no exterior buscam tecnologias para aumentar a escala de produção com custo reduzido, viabilizando, assim, a produção de biocombustíveis a partir delas.

A primeira vantagem das microalgas é a alta produtividade. Comparadas à cana-de-açúcar, algumas espécies podem gerar até o dobro de biomassa na mesma área. Outro ponto a favor é que não há necessidade de terras férteis para produzi-las, tampouco de água potável. Elas podem ser cultivadas em água salgada, salobra e até mesmo residual.
E é justamente no aproveitamento de um resíduo que se concentra a pesquisa da Embrapa com uma rede de parceiros. A Empresa está buscando linhagens capazes de crescer em vinhaça, um efluente abundante na indústria sucroalcooleira. A ideia é integrar a produção de microalgas a um segmento já bastante consolidado no mercado de agroenergia no Brasil. "As microalgas poderiam agregar valor à vinhaça e consumir o gás carbônico liberado nas usinas de etanol, tornando mais sustentável a produção brasileira desse biocombustível", diz o pesquisador líder da iniciativa, Bruno Brasil.
Os visitantes da Agrishow, poderão conhecer os trabalhos realizados pela Embrapa com microalgas que estará em exposição por meio de um fotobiorreator com microalgas.
Biorreator para clonagem de mudas

Um equipamento capaz de multiplicar mudas de plantas com muito mais higiene, segurança e economia.  Esse é o biorreator, uma espécie de "fábrica de plantas", que foi desenvolvido e patenteado pela Embrapa.
O biorreator apresenta muitas vantagens em relação aos métodos tradicionais de produção de mudas, como aceleração do processo de multiplicação de plantas de interesse agronômico; adaptabilidade a diversas espécies vegetais (cana de açúcar, abacaxi, banana, morango, café, entre outras); uniformização da produção; simplicidade de montagem; geração de produtos isentos de pragas e doenças, redução do custo total por muda produzida e diminuição dos custos com mão-de-obra.
Serviço
Evento: 22ª AGRISHOW – Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação
Data: 27 de abril a 1º de maio de 2014
Local: Rodovia Antônio Duarte Nogueira, Km 321 - Ribeirão Preto (SP)
Horário: das 8h às 18h - www.agrishow.com.br
Exposição da Embrapa : Estande do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Núcleo de Tecnologias (área de demonstração de campo na Agrishow) - www.embrapa.br/agrishow

Lançamento e demonstração do aplicativo Agritempo no Agrishow 2015 e assinatura de parceria (Schaeffler) da Rede de Fomento ILPF
Data: 27 de abril, às 14h
Local: estande do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento na Agrishow
Assessoria de imprensa da Embrapa no evento:
Elizabete Antunes
Contato: (61) 9121-3601 – elizabete.antunes@embrapa.br
Elizabete Antunes (MTb 744/DF)
Secretaria de Comunicação da Embrapa - Secom

Telefone: (61) 3448-4284/91213601
Fernanda Diniz (MTb 4685/89 /DF)
Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia
Cristina Tordin (MTb 28499/SP)
Embrapa Meio Ambiente
Eliana Lima (MTB 22047/SP)
Embrapa Meio Ambiente
Joana Silva (MTb 19554/SP)
Embrapa Instrumentação
Daniela Collares (MTb MTb/114/01 RR)
Embrapa Agroenergia

Nenhum comentário: