Busca

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

UM VOTO DE CONFIANÇA

Por Agenor Santos


O que é um voto de confiança? É acreditar em alguém que possa corresponder, dar uma resposta positiva e não negativa, dependendo da competência do(a) missionário(a), na busca dos objetivos aos quais se propôs solucionar, amenizar  e equilibrar os desafios do cotidiano das pessoas, das famílias, dos órgãos públicos  e privados. Todos dependem do Voto de Confiança, isto é, em mão dupla, uma reciprocidade de confiança. Não existe e nem poderia haver um Voto de Confiança pela segunda vez, quando o primeiro deixou de ser correspondido.

Fato dessa natureza perde sustentação inequívoca, gera falta de credibilidade. Imaginemos um paciente que busca tratamento para determinada doença, e o médico receita  medicamento X, e o paciente ao tomar entra em pânico e sua família também. Quem lida com vida não pode ir para o mercado de trabalho sem o devido preparo. Temos acompanhado pela imprensa denúncia a respeito de médico com má formação clinicando. Se considerarmos a situação das nossas universidades públicas federais e estaduais sucateadas, o que podemos esperar dos seus graduados, principalmente na área de medicina? O que esperar de dezenas de faculdades recem-criadas sem a menor estrutura para formar médicos para o mercado de trabalho? Quais serão as consequências? O leitor pode tirar suas conclusões. Exemplificamos o médico para justificar o Voto de Confiança. O paciente que for vítima de erro médico jamais dará outro Voto. Quaisquer que sejam as circunstâncias CONFIAR em alguém hoje em dia passou a ser um verbo duvidoso.

A confiança do eleitordo brasileiro, na sua maioria, vem de pessoas honestas que julgam  outras por si, acreditam nas promessas dos candidatos em honrar o voto dos seus eleitores, que com algumas exceções fazem valer o jogo dos interesses entre as partes, o eleito e eleitor legislando para o coletivo, em vez de causa própria. Porém, precisamos manter a esperança que é possível reverter o quadro caótico e voltar a crescer e reconquistar o respeito no contexto internacional que sempre desfrutamos.O Brasil tem um povo benevolente, trabalhador, honesto e não merece perder a sua dignidade de cidadão propriamente dito, diante da sua família e da sociedade sem emprego, saúde, educação e habitação.

É oportuno ressaltar o papel da imprensa livre, na divulgação dos fatos com imparcialidade, uma imprensa investigativa que vem contribuindo com os demais poderes na elucidação dos crimes contra o erário público(do povo). Qualquer instituição, seja física ou jurídica que cumpre com sua obrigação, não tem motivo para se queixar da imprensa ou outro órgão fiscalizador.

Portanto, o povo brtasileiro precisa e merece melhores dias, sem ter que se expor em praça pública a exigir seus direitos assegurados pela Constituição. Não podemos esquecer que o Voto de Confiança é recíproco ou deveria sê-lo.

Agenor Boaventura dos Santos/Pedagogo/Pós-graduação em Docência Superior/Poeta.

Nenhum comentário: