Busca

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

O PT não vai acabar com o Brasil

Faz tempo que não publico os artigos do Valdir Rossoni, deputado federal pelo PSDB do Paraná...
Hoje, sexta-feira, leio o mais novo artigo do parlamentar, onde ele afirma que o PT não vai acabar com o Brasil... Esperamos que que isso não aconteça!...
No artigo, diz Rossoni: "O que vemos hoje no Brasil é o partido do poder, o PT, demonstrar nem um pouco de preocupação em provar sua inocência diante do vendaval de denúncias de falcatruas que já colocou muitos de seus líderes na cadeia, mas sim apontar o dedo para outros e dizer que todos são iguais."
Rossoni afirma..., contestando: "Eu não sou igual e posso falar de peito aberto que nada me assemelha a esta quadrilha que tomou conta do país."

Veja abaixo o texto por inteiro do deputado Rossoni:

O PT não vai acabar com o Brasil. A reconstrução depende de nós 


Valdir Rossoni











Há um ano fui eleito deputado federal. Minha primeira experiência no Congresso, infelizmente, está sendo marcada por uma alta dose de tristeza com o que acontece no nosso país – e muito por culpa daqueles que foram escolhidos para representar o povo.

Sim, o Brasil atravessa uma grave crise política e econômica - e isso se reflete na Câmara dos Deputados. O quadro neste primeiro ano em que estive em Brasília é péssimo e a tendência é piorar. Mas vejo a inércia que tomou conta da política brasileira – e isso só piora as coisas. Hoje tenho a convicção que somente a pressão popular poderá gerar força suficiente para mudar o comportamento geral dos parlamentares para acabar com o pessimismo e fazer as mudanças que devem acontecer.

O que vemos hoje no Brasil é o partido do poder, o PT, demonstrar nem um pouco de preocupação em provar sua inocência diante do vendaval de denúncias de falcatruas que já colocou muitos de seus líderes na cadeia, mas sim apontar o dedo para outros e dizer que todos são iguais.

Eu não sou igual e posso falar de peito aberto que nada me assemelha a esta quadrilha que tomou conta do país. O que lamento mesmo é o sentimento de impotência que sinto muitas vezes em meio a tanta canalhice e tanto despreparo no trato com a coisa pública. Isso, contudo, não tirou minha esperança de poder ajudar a consertar o nosso país.

Repito que isso só será possível se o povo se levantar contra o que está aí escancarado todos os dias nas manchetes de jornais e, ao que parece, sem ser levado em conta por quem é acusado, o que é uma forma de deboche público sem precedentes.

Aos meus eleitores, os que confiaram em mim com seu voto, peço que protestem, gritem, fiscalizem. É preciso exigir seus direitos, cobrar que o seu dinheiro pago em impostos seja bem aplicado e não roubado. Todos estamos enojados dessa política que esta aí, onde a presidente transforma o Palácio do governo em balcão de negócios para não perder o cargo – e tem a conivência dos partidos de sempre.

Temos que tomar atitudes e mostrar nossa revolta, nossa indignação. Somos mais de 200 milhões de brasileiros à mercê de marajás e quadrilhas. Nosso país não merece isso. Quem trabalha, quem produz e paga seus impostos deve mostrar seu inconformismo antes que seja tarde.

O  PT governa sempre olhando as próximas eleições - e não para as próximas gerações. Essa é a prática do partido que atua no sentido contrário ao desenvolvimento. Sua preocupação principal é se manter no poder a qualquer preço e abocanhar o maior número de cargos possíveis. O resultado deste “modelo de gestão” é o que vemos diariamente no noticiário: Petrobras falida, finanças em colapso, inflação e desemprego batendo na porta das famílias brasileiras.  Nada está sendo feito para se consertar, apenas abriu-se um balcão de negócios para a presidente se manter no cargo e algumas medidas paliativas foram apresentadas para enganar os brasileiros. Não é o povo que deve pagar o pato, mas sim os responsáveis pela situação em que nos encontramos. Todos esperam voltar a ter paz e que o Brasil retome o caminho do progresso. Com o PT no poder isso é impossível.

*Valdir Rossoni é deputado federal


Nenhum comentário: