Busca

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Prefeitura de Curitiba executa obras para controle de cheias com investimento de R$ 135 milhões


Guindastes, maquinário pesado e homens trabalhando no Rio Pinheirinho, na extensão da Rua Wenceslau Braz, na Vila Lindoia, despertam a curiosidade de quem passa pela região e revelam a complexidade de uma das mais importantes obras de macrodrenagens em andamento em Curitiba.

Além desta bacia, a Prefeitura de Curitiba executa obras no Rio Barigui e em galerias de águas pluviais no bairro Xaxim, em um investimento de R$ 135 milhões para evitar cheias.

No Rio Pinheirinho, na bacia do Rio Iguaçu/sub-bacia do Rio Belém, a Prefeitura de Curitiba iniciou em junho deste ano uma série de intervenções que preveem a construção de contenções em concreto, indutores de retardo no fluxo da água, condutos forçados e estações de bombeamento que vão beneficiar os bairros Hauer, Fanny, Lindóia, Parolin e Guaíra.

As obras estão sendo executadas em três lotes com investimento de R$ 121 milhões e previsão de término para 2017. Atualmente há 2% de execução, ou seja, em estágio inicial. Devido ao porte da obra é possível observar movimentação intensa no local e também nas imediações, como no Córrego Henry Ford.

“Com intervenções desse porte e tecnologia, que estão sendo executadas em trechos nos afluentes e no próprio Rio Pinheirinho, será possível ter um efetivo controle das cheias trazendo segurança e dignidade aos cidadãos que sofrem com alagamentos na região”, afirmou o secretário municipal de Obras Públicas, Sérgio Antoniasse.

Segundo o engenheiro responsável pelo acompanhamento da obra, Djalma dos Santos, no Rio Pinheirinho está sendo executada uma técnica conhecida por “estaca barrete” que são contenções laterais, nas duas margens, construídas e concretadas no local. A estaca barrete ajudará na criação de um alargamento da calha para melhorar o fluxo da água e também para impedir a erosão do solo.

Além da calha maior (calha de inundação), o sistema de contenção é formado pela calha menor (calha de estiagem) que também será construída em concreto, no formato L, no fundo do rio.

Lotes

O primeiro lote de obras para o controle de cheias do Rio Pinheirinho é no Rio Vila Guaíra/ Córrego do Cortume. O investimento será de R$ 48,4 milhões com previsão de conclusão em 22 meses. O segundo lote atenderá a extensão do Córrego Henry Ford com custo de R$ 42,3 milhões e previsão de execução em 24 meses. O terceiro lote compreende Córrego Santa Bernadete e Rio Pinheirinho, com previsão de execução de 22 meses e custo de R$ 30 milhões.

Os lotes têm recursos assegurados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Gestão de Riscos e Desastres Naturais e há uma empresa para supervisionar os serviços.

Barigui

Outra grande intervenção em andamento é a construção de muros de contenção ao longo de 22 quilômetros do Rio Barigui. Iniciada em junho deste ano a obra está avançando e completa 17% de execução. Esta obra tem custo de R$ 11 milhões, vindos do PAC.

"As obras de drenagem que foram realizadas na bacia do Barigui, com alargamento e aumento de talude e agora os muros de contenção, significam melhorias contra as cheias na região. Esta foi a única gestão que sentou com a população, discutiu, apresentou projeto e iniciou a execução de forma eficiente e rápida. Está de parabéns toda equipe do prefeito Gustavo Fruet", disse Marilei Correia de Almeida, a Mari, presidente da Associação de Moradores do Alto Barigui I e II e moradora há 16 anos na região.

Ao todo serão erguidos 17 paredões de pedras nas margens do rio entre a Rua Dionira Molleta Klemtz (Fazendinha) e o Rio Iguaçu (Caximba). Os muros de contenção servem para garantir a estabilidade do solo e evitar a erosão nas margens do rio. A previsão de conclusão desta obra é para junho de 2016.

Drenagem

A Prefeitura está investindo R$ 1 milhão na implantação de galerias de águas pluviais na Rua João Batista Zagonel Passos (entre as ruas Francisco Derosso e Arthur Muller), no Ribeirão dos Padilhas e na Rua David Tows (entre João Duque Filho e Abrão Jak Duck) numa extensão de 1778 metros. As obras nessas ruas do Xaxim foram iniciadas em setembro e a previsão de execução é de seis meses.

Nos bairro Tingui e Boa Vista estão sendo feitas importantes obras para minimizar alagamentos na região e impedir a erosão do solo. A implantação de calhas pré-moldadas em U no Rio Bacacheri-Mirim na Rua Diógenes do Brasil Lobato, numa extensão de 249 metros: entre as ruas Edmundo Mercer e Nicolau Salomão e também entre Nicolau Salomão e Miguel Jorge está praticamente finalizada.

A implantação de calhas pré-moldadas em U no Córrego Estribo Ahú, na Rua Leonardo Krasinski, já beneficia os moradores da região. Somente essas intervenções representam mais de R$ 1,5 milhão de investimento da Prefeitura de Curitiba neste setor, no último ano, na regional Boa Vista.

Nenhum comentário: