Busca

domingo, 25 de setembro de 2016

EDUCAÇÃO PARA UM BRASIL MELHOR


Agenor Santos

A intenção da medida provisória do Presidente Michel Temer é boa, mas não resolve a curto, médio e a longo  prazos. Falta infraestrutura, com escolas em dois turnos superlotadas, que exige planejamento para de fato resgatar um ensino público de qualidade que foi frequentado por muitos que se destacaram no cenário nacional. O sistema educacional brasileiro perdeu  seu foco por ser vítima de alterações implantadas  por tecnocratas que não conhecem a realidade das comunidades escolares.

Acrescente-se o surgimento dos grupos empresariais da educação,  muito bem representados, buscando recursos que  antes pertenciam unicamente ao ensino público. É só constatar a realidade  das universidades públicas federais e comparar com as particulares. Muitos questionam que em vez de investir nas instituições de ensino ampliando sua capacidade tecnológica, corpo docente e  discente, preferem criar galpões sem as mínimas condições de funcionamento? Se a ordem do dia é qualidade! A educação básica que inclui o Médio fraco em consequência da base: Fundamental Menor e Maior. O que observamos claramente  é tentar sanar o efeito e não a causa. O retrocesso na educação básica não ocorreu somente pelas mudanças das nomenclaturas do Primário, para Primeiro Grau, Fundamental 1 e 2, e Médio. Voltando ao Primário.  Tinham  três turmas por série, ou seja, A,  B e C. A letra “A” reuniam os alunos mais adiantados e as outras se empenhavam para mudar de turma no decorrer do ano.  Professores e alunos comungavam do mesmo propósito.

Todos, queremos um Brasil melhor, que inevitavelmente passará por uma educação de qualidade. Mas para que possamos atingir esse objetivo, o caminho tem que ser em linha vertical, sem curvas. Ou seja, sem interferência nociva dos concorrentes que não têm o menor interesse que haja o fortalecimento das instituições  educacionais públicas, e consequentemente  o  equilíbrio de conhecimentos.

É importante e oportuno ressaltar a diferenciação das crianças de ontem que tinham respeito aos professores, porque  tinham também aos seus pais. Hoje, infelizmente são poucas as exceções. Uma pena que os pais passem suas responsabilidades para terceiros. Criança precisa de acompanhamento e afeto Não podemos querer um  Brasil melhor sem a devida atenção aos nossos futuros dirigentes. Somos todos responsáveis por um Brasil melhor.

Agenor Boaventura dos Santos/Pedagogo/
Pós-graduado em Docência Superior/Poeta.

Nenhum comentário: