Busca

domingo, 4 de setembro de 2016

Madre Teresa de Calcutá

Madre Teresa tinha muita fé na Providência divina.


Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora – MG

“Eu sei que meu trabalho é como uma gota no oceano, mas, sem ele, o oceano seria menor”. (Madre Teresa de Calcutá) Parece que esta frase norteava a sua vida, uma vida humilde construindo grandiosidades, um exemplo de que a humildade enaltece. Na verdade, ela não é de Calcutá e seu nome não é Teresa, mas, como “soldado de Cristo”, esse foi seu nome de guerra.

Madre Teresa nasceu em 25 de agosto de 1910, na cidade de Escópia, na atual Macedônia. Seu nome de batismo é Agnes Gonxha Bojaxhui. Pertenceu a uma família católica, sendo a mais nova entre três irmãos. Em seu país, havia várias etnias e religiões. Certamente, seu crescimento e convívio num meio tão pluralista preparavam-na para ser aquela santa hospitaleira que acolhia qualquer pessoa necessitada, sem distinção de nacionalidade, raça, religião ou status, seguindo a palavra de Jesus: “Curai os doentes, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios. Recebestes de graça, de graça daí!”

Teresa ingressou na vida religiosa com 18 anos, com grande desejo de ser missionária. Quando foi enviada para a Índia, aconteceu o que ela designou “o chamado dentro do chamado” em que Jesus lhe comunica interiormente o desejo de que ela cuide “dos mais pobres dentre os pobres”, fundando uma congregação religiosa, as “Missionárias da Caridade”.

A pedra de toque da santidade é a humildade. Ela jamais divulgou suas graças interiores, que só vieram à tona no processo de beatificação.

Sempre viveu pensando que a melhor forma de evangelizar começa com o exemplo prático da caridade, desinteressada, gratuita, seguindo os passos de Jesus.

Madre Teresa tinha muita fé na Providência divina. Na década de 1970, houve muitas inundações em Calcutá, deixando desabrigados e famintos por toda parte. E ela, com a ajuda de suas companheiras da congregação, conseguiu fazer cessar a chuva, através da oração.

Seu amor abrangia a todos e, mesmo dando preferência aos mais necessitados, esse amor não era exclusivo dos pobres. Ela não queria um choque de classes, mas “um encontro”, para que os ricos salvem os pobres e os pobres salvem os ricos.

Madre Teresa faleceu a 5 de setembro de 1997, com 87 anos, unanimemente reconhecida como santa da misericórdia.

Estou em Roma para participar da canonização desta santa que muito me inspirou a viver a simplicidade do Evangelho e a austeridade da consagração episcopal. Na minha vida de Bispo sempre me inspirei na sua delicadeza e na sua misericórdia para transmitir a graça santificante de Deus. O Papa Francisco vai presidir sua canonização em Roma no mesmo dia em que se celebra o Jubileu dos Voluntários e Trabalhadores da Misericórdia, nesse domingo dia 4 de setembro. Eu mesmo que presido uma instituição que é a maior rede de caridade em atendimento aos mais pobres no Brasil me insiro dentro deste jubileu realizando o meu jubileu em nome dos meus mais de vinte mil colaboradores.

Que Santa Madre Teresa rogue por cada um de nós e por este mundo tão carente de amor, e que nós saibamos aprender com seu exemplo! Amém!


Nenhum comentário: