Busca

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

A SOMBRA DA ESFINGE


Carlos Chagas

Apesar do sigilo imposto pelo falecido ministro Teori  Zavaski e religiosamente mantido pela ministra Carmem Lúcia, continuam sendo pinçados nomes de políticos importantes como alvo das 77 delações premiadas feitas por ex-diretores da Odebrecht. Dentro de mais uns dias, no Congresso e na mídia, os mais de cem implicados nas denúncias serão conhecidos, iniciando-se as investigações pelo Ministério Público e a Polícia Federal e, em seguida, o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal.

Por nossa conta e risco, já que nada foi oficializado, vamos fixar-nos em dois deles, conforme corre na Câmara e no Senado: Eunício Oliveira e Rodrigo Maia.

Ignora-se de que são acusados, ainda que o leque esteja aberto. Caixa Dois, recebimento ilegal de recursos, dinheiro irregular, peculato e outros enquadramentos, apesar de nada estar comprovado.

O diabo é que o senador e o deputado encontram-se no meio da fogueira. São os favoritos para se tornar presidentes do Senado e da Câmara. Contam com votos de sobra para se elegerem no começo de fevereiro. Só não se sabe se antes ou depois de conhecida a lista da Odbrecht. Eleitos antes, poderão suas posses ser contestadas por seus próprios eleitores? Depois, não deixariam em má situação as respectivas casas legislativas?

Pode ser que se trate de injustiça, exagero ou excesso por parte dos denunciantes. Gastos de campanha, feitos de acordo com a lei, podem ser confundidos com irregularidades. 

Tanto Eunício quanto Rodrigo terão todas as prerrogativas para defender-se. Mas se não conseguirem? Aparecerão candidatos de última hora para substituí-los? E se forem condenados pelo Supremo Tribunal Federal?

A sombra da desmoralização paira sobre pelo menos a metade do Congresso, tornando-se uma questão de dias, quem sabe de horas, decifrar o enigma da esfinge que sobrevoa a Praça dos Três Poderes.

Nenhum comentário: