Busca

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Jovem paquistanesa Malala Youzafzai será Mensageira da Paz da ONU

Secretário-geral das Nações Unidas fará o anúncio oficial esta segunda-feira,10 de abril; mais jovem Prêmio Nobel da Paz terá como foco a educação para meninas.


Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, designou a ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, Malala Yousafzai, como a nova Mensageira da Paz das Nações Unidas.
O anúncio será feito esta segunda-feira à tarde numa cerimônia no Conselho de Tutela, na sede da organização, em Nova Iorque. A mais jovem Prêmio Nobel da Paz terá como foco especial a educação de meninas.

Compromisso

Depois do evento, Malala e Guterres conversarão com jovens do mundo inteiro sobre a questão da educação das meninas.

O chefe da ONU afirmou que mesmo "diante de um grave perigo, Malala demonstrou um compromisso inabalável pelos direitos de mulheres e meninas".

Ele disse que o ativismo corajoso de Malala pela educação de meninas já energizou muitas pessoas no mundo.

Segundo Guterres, agora como a mais jovem Mensageira da Paz da ONU, ela pode fazer ainda mais para ajudar a criar um mundo mais justo e pacífico.

Símbolo

Nascida em 12 de julho de 1997 no Paquistão, Malala se tornou símbolo internacional pela luta por educação para meninas depois de ter sofrido um atentado em outubro de 2012 executado pelo grupo islâmico Talebã. Malala foi alvejada por protestar as restrições impostas pelo grupo à educação feminina.

Ela sobreviveu ao ataque e se tornou uma defensora para milhões de meninas que têm o direito à educação formal negado em várias partes do mundo.

Em 2013, Malala e o pai, Ziauddin Yousafzai, criaram o Fundo Malala com o objetivo de chamar a atenção para o impacto social e econômico da educação de meninas e para empoderar essas meninas para exigir mudanças.

Ela se tornou a mais jovem Prêmio Nobel da Paz em dezembro de 2014. Agora como Mensageira da Paz da ONU, a meta será conscientizar o mundo sobre os ideais e atividades da ONU.

Nenhum comentário: