Busca

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Síria: ataque químico, se confirmado, terá sido o maior desde 2013

Afirmação é do alto representante da ONU para assuntos sobre desarmamento; Conselho de Segurança fez reunião de emergência nesta quarta-feira; segundo OMS, pelo menos 70 pessoas teriam morrido e mais de 100 afetadas por ataque na terça-feira em  Khan Shaykhun, no sul da zona rural de Idlib, na Síria.


Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas realizou nesta quarta-feira uma reunião de emergência sobre a Síria. O alto representante da ONU para assuntos sobre desarmamento, Kim Won-soo, falou ao órgão sobre o suposto ataque com armas químicas ocorrido em Khan Shaykhun, no sul da zona rural de Idlib.

Segundo Kim Won-soo, se confirmado, este será o maior ataque com armas químicas na Síria desde a ação na região de Goutha, em agosto de 2013. Ele afirmou estar em contato com o chefe da Organização para a Proibição de Armas Químicas, Opac, que está coletando informações.

Sufocamento

A Organização Mundial da Saúde, OMS, relatou que pelo menos 70 pessoas teriam morrido e centenas teriam sido afetadas pelo ataque em Khan Shaykhun.

Médicos em Idlib informaram que dezenas de pacientes com dificuldades de respirar e sintomas de sufocamento chegaram a hospitais da província precisando de atenção médica urgente, muitos deles mulheres e crianças.

Segundo a OMS, a probabilidade de exposição a um ataque químico é ampliada pela aparente falta de ferimentos externos relatada em casos que mostra rápido.

Outros casos parecem mostrar sinais adicionais consistentes com a exposição a uma categoria de químicos que inclui agentes que atuam no sistema nervoso.

Vetos

Em fevereiro, o Conselho de Segurança da ONU vetou um projeto de resolução que determinava sanções contra a Síria pelo uso e produção de armas químicas.

Os vetos vieram de Rússia e China, que como membros permanentes do Conselho, têm poder para derrubar o documento. Além deles, a Bolívia também votou contra a resolução.

"Mensagem clara"

Na reunião desta quarta-feira, o embaixador britânico junto às Nações Unidas, Matthew Rycroft, afirmou que, naquele dia, o Conselho poderia ter enviado uma "mensagem clara" de que "haveria consequências para o uso destas armas terríveis e para violação de lei internacional".

Ele defendeu este teria sido um sinal de que há "união global e do Conselho de Segurança" em relação a qualquer uso destas armas. No entanto, segundo o embaixador britânico, após os vetos, parece que a única mensagem enviada ao presidente sírio, Bashar Al Assad, foi uma de "encorajamento".

Julgamento da História

Para Rycroft, as consequências desses vetos puderam ser vistas na terça-feira nos rostos das crianças de Khan Shaykhun mortas potencialmente, segundo ele, "por um regime que não vai parar em nada para segurar o poder".

Segundo o embaixador britânico, a história vai julgar a todos sobre como respondem a estas "inesquecíveis e imperdoáveis imagens dos inocentes que já haviam sofrido tanto mesmo antes" do ataque desta terça-feira.

"Regime bárbaro"

Para a representante permanente dos Estados Unidos junto à ONU, e presidente do Conselho de Segurança no mês de abril, o órgão não pode "fechar os olhos para as imagens nem a mente para sua responsabilidade de agir".

Nikki Hayley afirmou que ainda não se sabe tudo sobre o ataque de terça-feira, mas declarou que muitas coisas já se sabe.

Segundo a embaixadora americana o ataque de terça-feira foi um "novo ponto baixo mesmo para o que ela chamou de regime bárbaro de Assad"

Para Nikki Hayley, a ação tem "todas as marcas do uso de armas químicas pelo regime de Assad" e que estas já haviam sido usadas anteriormente pelo governo contra a população síria, citando a confirmação pela equipe independente de investigadores do Conselho.

"Falsas acusações"

O representante da Síria, Mounzer Mounzer, rejeitou o que chamou de "falsas acusações" sobre o uso de substâncias químicas tóxicas contra civis em  Khan Shaykhun.

Segundo o representante do país, estes são usados como "escudos humanos por grupos terroristas armados".  Mounzer também declarou que a Síria reafirma que o exército do país "tem nenhum tipo de armas químicas, nunca as usou e nunca as usará".

Rússia

Para o vice-representante da Rússia na ONU, Vladimir Safronkov, está "claro para o país que o terrorismo químico está crescendo" e deve ser combatido de forma decisiva.
Safronkov ressaltou o que chamou de tentativas do país nos últimos três anos para que o Conselho de Segurança reagisse aos crimes de "terroristas" que estariam usando armas químicas de forma cada vez mais frequente, não teriam sido bem sucedidas devido à oposição de países ocidentais.

Às margens da Conferência Internacional de Apoio à Síria, em Bruxelas, o secretário-geral da ONU, António Guterres, mencionou a reunião de emergência do Conselho de 

Segurança.

Após ter sido questionado por uma jornalista se o órgão estaria a ser testado, Guterres afirmou que este é o momento da verdade e que espera que o encontro possa mobilizar a capacidade de todos os que tenham responsabilidade nesta situação.

Nenhum comentário: