Busca

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Coluna “Quintal de Casa”


Por Hélcio Silva

19 de maio de 2017

Bom Dia - Paz na Terra! Não à violência!



O que eles fizeram?

O que dizer de nossa política? Eu não sei. Alguém sabe? Algum brasileiro sabe para onde vamos? O que nos é mostrado de bom no traçado político desenhado pelas atuais lideranças políticas do Brasil nesses últimos anos? Vamos ver a partir dos atuais ex-presidentes vivos. Que fizeram pelo Brasil o Sarney, o FHC, o Lula ou a Dilma? Que bom futuro eles plantaram para o País? Que futuro eles planejaram para a Nação Brasileira? O que fizeram pelas nossas crianças, pelos os nossos jovens?... Que País eles projetaram para o futuro?...

As mesmas perguntas...

Faria eu as mesmas perguntas relacionadas ao atual presidente.
Quando eu era adolescente - faz tempo que não sou mais - os mais antigos da minha terra diziam sempre quando alguém estava em dificuldade: “está no mato sem cachorro”.  O cachorro aqui no bom sentido como um bom anjinho de Deus que nos protegia... Hoje estamos no mato sem cachorro, sem um anjo que nos proteja de muitos humanos políticos, com maldade e ambição nos corações, que, na ânsia pelo poder e pelo enriquecimento fácil, traíram a Pátria brasileira. É duro ver-se um Temer dizer: “Não renunciarei!... Não renunciarei”...
E duro, também, ver-se um Lula, réu em oito processos de crime, dizer que voltará à presidência da República... É duro, ainda mais, ver-se que essa possibilidade existe.

É de espantar...

No dia 17 - anteontem - aqui no “quintal de casa” eu escrevia: “Como ele conseguiu roubar tanto? - É espantoso! Era um criminoso contra o Rio, que, durante dois mandatos de governador, deixou o Estado quebrado. Onde estavam os deputados da oposição? Onde estava o Ministério Público? Já é réu em oito processos. O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi posto pela oitava vez no banco dos réus...”
Hoje releio o texto e me indago, pois que aqui estou sozinho neste quintal, nesta manhã de sexta-feira: O povo do Rio merecia isto?... Por que Cabral fez tanta maldade com o povo do Rio?... É de espantar!!!

Eles têm o controle de tudo...

Na política brasileira eles sempre estão a controlar tudo, poder de decisão, poder de mando, poder do quero!... Governadores!... Ah! Muitos se acham donos de tudo: do poder, do mando e do quero... Poucos são os que têm o espírito republicano... Muitos, no entanto, carregam a alma da ambição... Alguns há, ainda, de almas perseguidoras!...  

Ao longo da história... Os coronéis!...

O mando dos coronéis nunca deixou de existir – neste nosso país - , apesar da constituição de 88, a nossa constituição cidadã!... Eles continuaram mandando, agora mais fortes em virtude de íntimas e proveitosas ligações com poderosos grupos econômicos: empreiteiras... Eles controlam, ainda hoje, em muitos estados e cidade, o poder da comunicação, como donos de sistemas de Rádio e TV...

Mas estão sentindo o peso...

Há uma esperança que isso tem um fim... Com a Lava Jato, eles - os poderosos que não foram corretos com a causa pública – estão apavorados. Alguns já condenados, muitos ainda investigados, estão sentindo o peso da Lei.
  
Dou um grito: Eles não me representam...

Gente! Em meu quintal entram uns bons raios de sol que me acalmam nesta manhã de sexta... Porém,  ainda estou inquieto, nem sei o que realmente leio e penso!... Mas leio e penso!... Há grãos de areia perdidos neste mar... Não digo que mar! / prefiro calar...  Estou indignado com o atual quadro da política brasileira... Dou um grito: Eles não me representam / Temer não é meu presidente?...

Respiro fundo...

Desço as armas... Escolho o texto para ler...Começo: - “Ótimo, diz Temer ao ouvir estratégia para segurar investigações” – Vejo na Veja.com... - Passava pouco das 22h30 quando o empresário Joesley Batista chegou ao Palácio do Jaburu, a residência oficial de Michel Temer. Era 7 de março deste ano. Ao passar pela guarita de segurança, o sócio do grupo JBS ouvia notícias no rádio do carro. O gravador, escondido no bolso, já estava ligado e registrava tudo. O empresário não foi importunado pela segurança e nem precisou se identificar, como de praxe – o staff presidencial, aparentemente, já estava avisado do  encontro reservado.

Estava finalmente diante de Temer...

Em poucos minutos, Joesley estava diante de Temer. A gravação foi divulgada nesta quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal após o ministro Edson Fachin suspender o sigilo do caso revela um diálogo aberto entre o presidente e o empresário. Os dois conversam francamente sobre assuntos espinhosos. Temer ouve Joesley falar com tranquilidade sobre o que estava fazendo para se livrar de investigações de que é alvo – em mais de uma vez, o presidente chega a aprovar as medidas – e é informado das iniciativas para calar o ex-deputado Eduardo Cunha e o operador de mercado Lúcio Funaro, que, presos, ameaçavam fazer um acordo de delação premiada com a Lava Jato capaz de comprometer muita gente, inclusive o próprio Temer e outros integrantes da cúpula do PMDB.

Temer: “Eduardo tentou me fustigar”

Após começarem a conversa tratando das medidas econômicas adotadas por Michel Temer desde que assumiu o Planalto, Joesley indaga o presidente sobre como estava a relação dele com Eduardo Cunha. “Queria saber como está…”, diz. Temer se queixa da postura do ex-deputado, que já havia dado sinais públicos de que guarda segredos capazes de comprometer Temer.  “Eduardo tentou me fustigar”, diz o presidente. Joesley, então, dá um panorama do que estava fazendo em favor de Cunha – em outras palavras, dos acertos que fizera para garantir o silêncio do ex-deputado. Ele diz que “zerou” as pendências que tinha com Cunha.

Eu fiz o que deu – “Zerei tudo”

“Dentro do possível, eu fiz o que deu. Zerei tudo”, diz Joesley. Ele cita também o “amigo” de Cunha, referência a Lúcio Funaro, parceiro de negócios do ex-deputado preso em Brasília desde o ano passado. O empresário arremata em seguida: “Tô de bem com Eduardo”. É quando Temer assente com uma frase que, na avaliação dos investigadores da Lava Jato, seria um sinal de aprovação aos pagamentos feitos em troca do silêncio de Cunha: “Tem que manter isso, viu?”.

Joesley segue atualizando Temer... 

Em seguida, Joesley Batista atualiza Temer sobre a situação das investigações em que ele e o grupo do qual é dono são alvos – entre elas, um processo em curso na Justiça Federal de Brasília para investigar pagamentos de propina a dirigentes de fundos de pensão de empresas estatais. É quando o empresário relata ao presidente, com a frieza de quem conversa sobre um tema comezinho numa mesa de bar, que estava cuidando de “segurar” os dois juízes que atuam no caso. “Está segurando os dois?”, pergunta Temer. “Tô segurando os dois”, responde Joesley, no que Temer responde: “Ótimo, ótimo”.

Tinha procurador da República envolvido...

Joesley conta também ao presidente que havia cooptado um procurador da República, que lhe repassava informações privilegiadas da investigação  – ele se referia ao procurador da República Angelo Goulart, preso nesta quinta-feira por ordem do ministro Edson Fachin.  O empresário diz ainda que estava tentando trocar um outro procurador, encarregado de investigá-lo. “Consegui um procurador dentro da força-tarefa que também está me dando informação. E tô para dar conta de trocar o procurador que está atrás de mim. Se eu der conta, tem o lado bom e o lado ruim. O lado bom é que dá uma esfriada (no caso) até o outro chegar. E tem o lado ruim que, se vier um cara com raiva, não sei o quê…”.

50 mil reais por mês...

Mais adiante, o empresário detalha ao presidente que estava pagando 50 mil reais mensalmente ao procurador que topara repassar informações sobre o andamento do processo. “Tô fazendo um, 50 mil por mês, dando pro rapaz e tal, e ele me dá informação”, diz.

O sol esquenta e fico a pensar...

Terminei a leitura da veja. O sol esquenta aqui no quintal e fico a pensar... ***como pode o presidente da República aceitar esse relato, entrar no papo, aprovar os feitos, sabendo até que um procurador estava a receber 50 mil reais mensalmente?... Que presidente é este? Que Chefe de Nação é este? ***

Avante... Renúncia de Temer...

Li agora no Twitter uma postagem do ministro Joaquim Barbosa: "Não há outra saída: os brasileiros devem se mobilizar, ir para as ruas e reivindicar com força: a renúncia imediata de Michel Temer."

Tô Indo...

Tô indo, minha gente... Até mais ver... A coluna volta na segunda-feira... É de segunda a sexta...

Nenhum comentário: