Busca

domingo, 13 de agosto de 2017

coluna do Jersan


O GOVERNO TEMER ESTÁ PERDIDO

Jersan Araújo

Quando um governo chega ao ponto de negar reajustes e até pensar em reduzir salários de servidores ativos e aposentados, é porque a situação é gravíssima. E, no caso em espécie, vitima significativa parcela da classe média brasileira, além de ferir dispositivos constitucionais (mexer com direitos adquiridos), tudo para tentar cobrir o rombo das contas públicas que eles mesmos (governos), por incompetência ou má fé patrocinaram ao longo do tempo.
O Palácio do Planalto, segundo denúncias da oposição foi transformado em balcão de negócios, onde parlamentares são agraciados com liberações de emendas em troca de votos a favor dos projetos de reformas. E, enquanto o governo anuncia o corte de cargos comissionados é forçado a nomear aliados de deputados e senadores, também, em troca de apoio no Congresso Nacional. É uma incoerência atrás da outra.
O Brasil está falido e o governo perdido. As pressões por resultados imediatos, geralmente a favor de grupos privilegiados, colocam servidores estáveis e aposentados de “barba de molho”. O medo voltou a superar a esperança. O desespero atinge a sociedade brasileira, apesar da inflação está sob controle e o emprego voltando timidamente.
Em que pese o desgaste junto à população, com apenas cerca de 10% de aprovação o governo Temer tem conseguido vitórias na Câmara Federal e no Senado, mas, em compensação está fatiando cargo e aumentando despesas ao invés de cortá-las, como prometeu. Nos Estados Unidos o presidente Donald Trump contaria com o apoio de 80% dos americanos, mas não consegue vitórias no parlamento porque lá, tudo indica, não tem instrumentos como “emendas parlamentares, empregos para familiares e cabos eleitorais dos políticos.
O “jeitinho”, principalmente quando se trata de “ferrar” os mais pobres só tem aqui no Brasil.

REFORMA POLÍTICA

Falta dinheiro para aumentar salários, para investimentos na malha viária, na saúde, na educação, mas não faltará para financiar as eleições de 2018, orçada em R$ 3,3 bilhões que sairão dos cofres públicos, já vazios. O Plenário da Câmara deverá aprovar o relatório da comissão que trata de outras mudanças da Lei Eleitoral. O mais provável é instituir o voto distrital, sepultando de vez as coligações partidárias para os cargos proporcionais (deputados e vereadores). Todas as propostas de mudanças favorecem os que já têm mandatos. Renovação dos parlamentos (municipais, estaduais e federais) só se for por determinação do eleitorado. Prevalecendo a vontade deles, todos continuariam nos seus devidos cargos.

ZEQUINHA SENADOR

O ministro do Turismo, deputado Zequinha Sarney quer ser senador. “Cansou” de ser deputado federal, com o voto dos maranhenses. Para tanto, não se faz de rogado e se aproxima do governador Flávio Dino e busca um entendimento visando acordo para que ele (o governo) fique com uma vaga de senador e ele com a outra. Isso só não foi combina com o povo e nem com a irmã dele que, pelo menos até agora, pretenderia disputar o Governo do Estado. Mas, a tentativa de acordo nesse sentido continua.
Prevalecendo esse entendimento, o que seria de Edson Lobão e de João Alberto, cujos mandatos chegam ao final em 2018 e ambos têm a intenção de renová-los? Como em política o impossível, de repente, é possível, tudo poderá acontecer até 2018.

DISPUTANDO A VICE

Se o cargo de vice-governador não for eliminado na tal Reforma Política que tramita no Congresso e deverá ser votada até o final de setembro, comenta-se nos bastidores que o governador Flávio Dino está pensando em “arrastar” o prefeito Edvaldo Holanda para o cargo e deixar a Prefeitura por algum tempo sob o comando do vice-prefeito que é do PCdoB. Em caso de uma zebra e o partido perder o governo estadual, ficaria com os cacos da prefeitura e fôlego para se reorganizar. Carlos Brandão já não fala mais sobre esse assunto e já trabalha pensando na Câmara Federal. Prevenido morreu de velho – diz o ditado popular.

DOMINICI EM AÇÃO

Semana passada (terça e quarta-feira) o prefeito João Dominici participou de reuniões com o Conselho Municipal de Assistência Social em São João Batista, do qual participaram os secretários de Saúde e de Assistência Social, respectivamente, Mauro Jorge e Eliane Aranha: o presidente da Câmara Municipal, vereador Assis Araújo, o presidente do Conselho, Valdecir, além de representantes da sociedade civil. O fortalecimento de políticas públicas para o setor foi o assunto em destaque e o prefeito João Dominici defendeu, na oportunidade, a participação de todos com a liberdade de exigir dos poderes executivo e legislativo de São João Batista aprovação de projetos que venham a fortalecer as políticas públicas nessa área, favorecendo, principalmente, as camadas socialmente mais vulneráveis.

EM PROL DA FUNDAÇÃO
Voluntários mobilizados para a campanha que objetiva à aquisição de berços e camas para o setor de pediatria do hospital do Hospital do Câncer. Uma vasta programação será cumprida e com certeza a sociedade maranhense vai colaborar e contribuir para o sucesso do evento que tem o apoio da direção da Fundação Antonio Dino, que administra o hospital, prestador de grande assistência a pacientes de todo o estado. É de se reconhecer o grande apoio que o deputado Braide tem dado a essa instituição, assim como significativa parcela da sociedade que, mais uma vez deverá apoiar essa humanitária iniciativa.   

E AS ESTRADAS

O governo estadual vem destacando na mídia o Programa “Mais asfalto” particularizando São Luís e outras cidades maranhenses como beneficiárias. Tudo bem. Mas, é bom lembrar que, para se chegar a essas cidades “renovadas” precisa-se de estradas, igualmente transitáveis... Ou não?

DIA DOS PAIS

A coluna deseja muita paz, amor no coração, felicidade a todos os pais do mundo. Parabéns!

Nenhum comentário: