Busca

quinta-feira, 9 de abril de 2015

NO REINO DA LAMBANÇA



Carlos Chagas










Raras vezes se viu lambança pior, desde que o PT foi para o poder, há mais de doze anos. Perderam todos, do vice Michel Temer, sem controle do PMDB, a Eliseu Padilha, a viúva Porcina que foi sem nunca ter sido, a Ideli Salvatti, sacrificada no altar da ingratidão, a Pepe Vargas, apunhalado pelas costas, e a Eduardo Cunha e Renan Calheiros, ignorados olimpicamente pelo palácio do Planalto. Agora,a mais prejudicada de todos foi a presidente Dilma Rousseff, mais perdida do que cego em tiroteio.

Temer, hoje coordenador político, fica sem o escudo protetor do palácio Jaburu, ou seja, despojado do argumento de que “quem manda é ela, não tenho nada com isso”. Fará o quê quando os presidentes do Senado e da Câmara desautorizarem o governo e persistirem na guerra de guerrilha contra a presidente?

Eliseu Padilha foi para o espaço, voando mais alto do que os aviões de carreira postos a seus cuidados. Aceitou o convite de Dilma para mudar-­se para o ministério de Relações Institucionais e foi obrigado a recusar por ordem de Renan e Cunha. Imagine-se com que cara participou a rejeição.
 Ideli Salvatti estava posta em sossego no ministério dos Direitos Humanos, com planos que até iam dando certo. Numa questão de minutos viu-se sem aviso prévio defenestrada. Não recebeu sequer uma palavra de solidariedade do PT.

Já Pepe Vargas, coitado, por obra e graça do Lula, passou de coordenador politico a primeira vítima de seu novo ministério, carente de direitos humanos para protestar e rebelar-se contra injustiças. Quando convidado para integrar o ministério do segundo mandato, recebeu da presidente os maiores elogios por sua capacidade de coordenador. Em poucas semanas passou a incompetente.

Não se sabe se os comandantes da Câmara e do Senado ficarão verdes de raiva por terem lido pela imprensa que Michel Temes seria seu novo interlocutor, ou, no reverso da medalha, exultaram pelo fato de Madame haver-lhes fornecido mais um pretexto para continuarem sua rebelião.

O troféu de rainha da lambança, porém, vai para a presidente Dilma. Depois de haver cedido à chantagem dos partidos e formado o pior de todos os ministérios da história da República, patinou olimpicamente na recomposição parcial da equipe, obrigada tornar-se neoliberal e a renegar as promessas da recente campanha. Mais uma vez, mostrou subserviência ao antecessor no trato da crise econômica ao assistir, inerte, o assalto aos direitos trabalhistas. Sacrificou, como tem feito desde seu primeiro mandato, auxiliares fiéis e sempre melhor preparados do que os substitutos. Com todo o respeito, não sabe para onde vai.


Nenhum comentário: