Busca

terça-feira, 30 de agosto de 2016

DEIXOU O SENADO DE SAIA JUSTA


Carlos Chagas

Quebrou a cara quem esperava que a agenda do impeachment fosse tocar fogo no circo com o depoimento, ontem, da presidente afastada Dilma Rousseff no plenário do Senado. Muitos previam e até aguardavam com prazer que Madame fosse  fulminada pela  maioria dos senadores.   Não teria como responder às acusações de haver praticado crime de responsabilidade e assinado decretos sem submetê-los ao Congresso.

Aconteceu o contrário. A presidente demonstrou não só pleno conhecimento das armadilhas e dos  meandros da economia. Foi sincera em detalhar   como seu governo enfrentou os graves problemas da conjuntura. Defendeu-se. Não perdeu uma, inclusive quando Aécio Neves, Ronaldo Caiado e outros adversários tentaram acutilá-la.

No pronunciamento inicial, não escorregou uma só vez, apesar da emoção. Contundente em seu diagnóstico, ainda que nenhum senador desse sinais de  mudar  convicções ou decisões a respeito de afastá-la. Ou de  que os erros de sua administração possam ser esquecidos. Reconheceu-os. Também referiu-se aos “sepulcros  caiados”.

Dilma deixou o Senado de saia justa. Desmontou as armadilhas dispostas à sua frente.  Por exemplo:  nem uma voz levantou-se em defesa do lobisomem que ela não poupou, o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Despertou até risos quando lembrou do tempo em que metade do Congresso acotovelava-se para tirar fotografias ao lado do deputado.

Ficou claro nas muitas  horas em que chegou a perder a voz:   identificou,  por trás do processo  que disse sem fundamento para cassá-la,  a intenção das elites de  interromper as reformas sociais  realizadas nos últimos treze anos. Criticou o “governo provisório” pela extinção e redução de uma série de prerrogativas para a população menos favorecida.

Muito antes   de chegar a longa madrugada de inquirições à presidente, já se sabia da inocuidade da volta por cima na decisão dos senadores,  em favor do impeachment.  Ela mesmo, nas entrelinhas de seus comentários, deixava óbvio  estar prestando seu  último depoimento como presidente da República. Mas, vale repetir, deixou o Senado de saia curta.

Nenhum comentário: