Busca

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

DIÁRIO DO HÉLCIO

(03/08/2016)




DIA DE SANTA LÍDIA...



Hoje é Dia de Santa Lídia!... Com um viva para Santa Lídia!
Padroeira dos tintureiros e comerciantes. Primeira mulher a se fazer cristã na Europa e uma das primeiras aclamadas santas e veneradas desde o início do cristianismo. Filha espiritual de São Paulo e seus companheiros Lucas, Timóteo e Silas.
Santa Lídia tem uma história!... Quem não conhece precisa conhecer: pesquisando.

PREFIRO A SANTA QUE OS “SANTOS”...


Já sinto um progresso no meu Diário! Não comecei com os “santos” políticos. Mas, neste momento de lava jato político, não posso e nem devo fugir às anotações mais importantes de hoje... Vejam:

- “A presidente afastada, Dilma Rousseff, afirmou que seu partido, o PT, precisa passar por uma "grande transformação" e reconhecer erros cometidos do ponto de vista ético e "do uso de verbas públicas".

E ela não é parte do grupo, da turma dos companheiros?

LULA MAIS ENROLADO QUE NUNCA


- “A Operação Resta Um, 33.ª fase da Lava Jato, cita suposto repasse de valores via caixa 2 da Queiroz Galvão, via Consórcio Quip - do qual a empreiteira era a majoritária - , para a campanha da reeleição do ex-presidente Lula, em 2006. A informação foi divulgada pela força-tarefa do Ministério Público Federal e da Polícia Federal nesta terça-feira, 2. Os investigadores citam o ex-tesoureiro da campanha de Lula à reeleição em 2006, José de Filippi Júnior, que teria captado R$ 2,4 milhões naquele ano” -.

E ele vai dizer: Eu não sabia...

SAINDO DO SALÃO DA POLÍTICA...


E hoje, o Diário foge do Salão da Política neste momento, quando são sete horas da manhã, nesta quarta-feira, e entra em outro assunto: o espiritismo... Começo a história desde quando eu era menino, naqueles tempos áureos da tabuada...

Com certeza vai ser encrenca..., ou estarei procurando encrenca pra meu quintal...

COMO FOI O NOSSO TEMPO...


Fui um menino criado sem whatsApp. As nossas diversões eram outras e as nossas responsabilidades também diferentes dos meninos de hoje. Mas éramos felizes!...

Nosso jogo de bolinha de gude em borroca, que era como se chamava o buraco furado na terra com os nossos calcanhares, brincadeira de pegador, pelada na croa – quando a maré levava as ondas e deixava uma praia para a bola. Empinava-se papagaio, jamanta e curica... Eram essa as nossas brincadeiras. Era bom danado...

Havia estudo puxado na decoreba dos verbos e tabuado. Sabíamos tudo de cor e salteado... Havia bronca (...e como havia!) quando a gente errava o tempo verbal ou as continhas da tabuada... Ufa! As pernas tremiam... Todavia, a gente vibrava no acerto... Coisas da época!
E hoje..., é tudo tão diferenteeeee! E como é diferenteeeee!!!

O CATECISMO...


O padre não perdoava. Aos domingos, o catecismo na Igreja de Santo Antônio... Depois, com permissão do padre, um bom jogo de futebol no campo do Seminário, que ficava ao lado da Igreja.

O ESPIRITISMO...


Não existe uma data precisa para o inicio do espiritismo no Maranhão, mas alguns movimentos já marcavam presença a partir de 1945. Há registro da existência, já em 1948, da União Espiritualista do Maranhão.  Meu tio Seu Dinho, nome pelo qual era conhecido, (cujo nome verdadeiro era Leonardo - irmão de meu pai) fez parte de um dos movimentos. A UEM não conseguia unir os movimentos. Mas era necessária a união, a unificação. O momento exigia a criação de outra entidade, em substituição à UEM, para agregar todas as correntes. Assim é que, para ajudar nesse ideal, chagava ao Maranhão, no dia 1° de dezembro de 1950, uma caravana vinda do Rio de Janeiro. Nesse mesmo dia foi criada a Federação Espírita do Maranhão.  No dia 2 de dezembro, tomou posse a Comissão de Organização da nova entidade, composta pelos espíritas: José de Paula Bezerra, Antônio Vinhais, Antônio Alves Martins, João Batista Guimarães Carvalho, José Mansueto da Silva, Plácido José Camões e Benedito Braz da Silva.

O PRIMEIRO PRESIDENTE...


O primeiro presidente da Federação Espírita do Maranhão foi Antônio Nogueira Vinhais, que era presidente do Centro Espírita Maranhense.

AS AULAS DO TIO SEU DINHO...


Naquela época, possivelmente entre 1948 a 1950, eu recebia as primeiras informações do tio Seu Dinho sobre a doutrina espírita, tempo em que as reuniões mediúnicas eram abertas ao público. Importantes trabalhos de desobsessões se realizavam, com a prática do amor e da caridade...
Hoje, as reuniões mediúnicas são de porteira fechada, com acesso apenas para um limitado número de pessoas, escolhidas a dedo pelos dirigentes das casas ou centros espíritas.

TRÊS OBRAS DE KARDEC...


Naquele período de grande efervescência do espiritismo em São Luís, três livros de Kardec formavam a base do estudo e da prática do espiritismo nas casas e centros espíritas. Eram: O Livro dos Espíritos (publicado em 1857), o Livro dos Médiuns (publicado em 1961) e O Evangelho Segundo o Espiritismo (publicado em 1864).

As reuniões eram realizadas em mesas longas (compridas – em forma retangular) cobertas sempre com uma toalha branca e todos os componentes (dirigentes e médiuns) vestidos de branco, inclusive de sapato branco. Havia lugares para o público assistente, sem a obrigação da roupa branca.

SEM TEMPO PARA A CARIDADE...


Hoje, o ingresso para o exercício do espiritismo nas Casas Espíritas exige uma maratona de estudos intermináveis, por isso, entendo a grande dificuldade de ampliar-se o número de trabalhadores. 

De tanto compromisso com os estudos, esquecem a caridade!

EU E O ESPIRITISMO


No dia 29 de maio deste ano (2016) escrevi aqui no blog um texto com o título Eu e o Espiritismo. O texto é grandinho, mas transcrevo um pedaço:

- Vejo hoje tudo tão diferente, complicado: burocrático, principalmente!... Alguns espíritas adoram complicar!

Ontem, as obras de Kardec eram devoradas por estudiosos entusiasmados que se envolviam – em profunda boa vontade – com a evangelização universal para o bem, abrindo a porta do espiritismo ao povo, como desejava Chico Xavier.

O povo nunca atrapalhou os que gostam da pesquisa cientifica. O estudo tem uma profunda base científica... Tudo é ciência. Mas não precisa complicar.

Hoje, os estudos são mais fechados e prolongados, com quase as mesmas pessoas. Ai você passa pelas siglas EIDE, ESDE, EADE e GECE... Acho que tem mais!

Complicado?

Pois explico... EIDE (Estudo Introdutório da Doutrina Espírita) ESDE (Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita) EADE (Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita) GECE (Grupo de Estudo da Codificação Espírita).

Poderia ser tão mais simples!... Ou não é? -

POR ISSO...


Por isso - acho que essa é uma das razões – o número de trabalhadores das Casas Espíritas vem diminuindo sempre...

E TEM MAIS...


Alguns dirigentes pensam como os “coronéis” da política: acham que são os únicos donos da verdade. E esse poder de força (justo faça-se dizer) tem a aprovação da FEB (Federação Espírita Brasileira)...
    

CITAREI CHICO...


Estou sentado em uma cadeira de vime, com os braços apoiados a uma mesa de mármore. Lembro o Chico, nosso querido Chico Xavier... Recordo o que ele disse e reescrevo os dizeres:

- "É preciso fugir da tendência à "elitização" no seio do movimento espírita. É necessário que os dirigentes espíritas, principalmente os ligados aos órgãos unificadores, compreendam e sintam que o Espiritismo veio para o povo e com ele dialogar. É indispensável que estudemos a Doutrina Espírita junto às massas, que amemos a todos os companheiros, mas, sobretudo, aos espíritas mais humildes, social e intelectualmente falando, e deles nos aproximarmos com real espírito de compreensão e fraternidade”.

OUTRO DIZER DO CHICO NO MESMO RUMO...


-  "daqui a pouco estaremos em nossas casas espíritas, apenas, falando e explicando o Evangelho de Cristo às pessoas laureadas por títulos acadêmicos ou intelectuais e confrades de posição social mais elevada. Mais do que justo é que evitemos isso: a "elitização" no Espiritismo, isto é, a formação do "espírito de cúpula" -.

Nenhum comentário: