Busca

terça-feira, 4 de outubro de 2016

FOI O POVO QUE ERROU?


Carlos Chagas

Quem se deu ao trabalho de comparar os números das previas eleitorais com os resultados das urnas chegou à mesma conclusão de sempre, de que os institutos de pesquisa não ganham eleições. Erraram feio, apesar das explicações enfadonhas de que foi o eleitorado que mudou, à ultima hora. Melhor não descer a detalhes, mas dessa vez vale acrescentar um fator a mais: os comentaristas e repórteres de televisão perderam a humildade e também, com empáfia, engrossaram a corrente de tiros dados fora do alvo. No domingo, à medida em que eram conhecidos os resultados, desdobravam-se na tentativa de demonstrar que não erraram. Foi o povo que errou…

Mas acertaram, também, na unanimidade partilhada com a nação inteira, de que o PT seria o maior derrotado. Não deu outra, que o segundo turno confirmará no fim do mês. A pergunta que se faz refere-se ao futuro do partido dos companheiros. Parece impossível supor que possam reconquistar a presidência da República em 2018, objetivo que lhes tomará tempo e esforço.

Em maioria, o PT jogará os seus cacifes na candidatura do Lula, cujos obstáculos a superar estão à vista de todos. Primeiro, evitar a operação Lava Jato e a possibilidade de o candidato ser condenado pelas acusações do juiz Sérgio Moro. Depois, apostar no fracasso do governo Michel Temer e desenvolver intensa campanha demonstrando as realizações de seus dois governos. Missão quase impossível mas a única que lhes resta.

Começou a corrida sucessória, com ênfase para a ascensão do governador Geraldo Alckmin, pai, mãe, avô e avó do novo prefeito João Dória. No ninho dos tucanos, Aécio Neves e José Serra que se cuidem, já que uma força maior se faz sentir.

Sobre as eleições municipais, ainda uma evidência a referir: em comparação com embates anteriores, o não-voto cresceu na indiferença do eleitorado. Abstenções, ausências, votos brancos e nulos chegaram quase aos 30%. Uma espada de Dâmocles paira sobre a cabeça do presidente Michel Temer. Ele insiste em que não se candidatará, mas sem outra opção, o PMDB tratará de convencê-lo a voltar atrás. Claro que se fizer um bom governo.

Nenhum comentário: