Busca

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Fotos expõem superlotação e 'cela de castigo' em Pedrinhas

Cenas expõem a precariedade em partes da penitenciária de São Luís

                                         ******

Em reportagem, a BBC Brasil relata, mais um vez, a situação da penitenciária de Pedrinhas, em São Luís, no Estado do Maranhão.... Vou colocar um texto da reportagem e duas fotos...  E vou perguntar:
O que vai dizer o Governador Flávio Dino?.... O que o governo do Maranhão vai dizer?...
São retatos chocantes!
Leiam este texto da BBC Brasil e logo depois seguem duas fotos... Lamentável... Vergonhoso...

                                       *******

- Vinte e quatro detentos se amontoam numa cela projetada para abrigar apenas quatro, onde dormem sobre o concreto, sem colchões nem travesseiros. Em outra cela, 22 homens passam dia e noite trancados num espaço escuro, úmido e sem ventilação — alguns usam as próprias camisas para enxugar vazamentos que inundam o piso.

Retratadas em fotos obtidas com exclusividade pela BBC Brasil, as cenas expõem a precariedade em partes da penitenciária de Pedrinhas, em São Luís, em meio a uma nova onda de violência no Maranhão, dois anos e meio após a unidade se tornar notícia mundo afora por um vídeo que mostrava presos decapitados.

Desde o dia 30 de setembro, três detentos foram encontrados mortos dentro de Pedrinhas, o que eleva para ao menos 79 o total de óbitos registrados na unidade desde 2013, segundo ONGs que monitoram a prisão.
As seis fotos recebidas pela BBC Brasil, cujos autores pediram anonimato, foram tiradas em três edifícios do complexo penitenciário, o maior do Maranhão.

Hoje chefiado por Flávio Dino, do PCdoB, o governo maranhense não contestou a veracidade das imagens, mas disse que "problemas estruturais históricos" das prisões locais vêm sendo sanados e que na atual gestão o número de mortes em Pedrinhas despencou.

A BBC Brasil mostrou as fotos a duas organizações que acompanham a situação no presídio — a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos e a Conectas —, que visitaram os mesmos locais no fim de setembro e disseram ter presenciado condições semelhantes -.





Uma situação terrível... 


Nenhum comentário: