Busca

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

O Lavrador

Crônica do amanhecer

Hélcio Silva

(10/10/2016)


Sou lavrador. Lavro a terra fértil e caminho pelo mundo; sonho com o cosmo, vejo as estrelas no firmamento celeste, e firmo a lua a nascer para luar a terra em todo anoitecer...

Caminho pelos espinhos da vida, complicada vida de todos nós! Veja um mundo de fome, ainda com fome, cheio de fome!...

Passo a passo, ando pelo mundo!

Vejo rios morrendo, árvores queimadas pelo fogo criminoso de mãos criminosas; ardendo pelo chão, seus galhos em brasa!...

Meus olhos cansados, outrora castanhos, ainda veem crianças pedindo pão... É o fogo da fome que arde como brasa!

Fatigado, sem resistência, quase caído, o trabalhador carrega nas costas uma carga pesada de impostos...

E vejo ladrões do dinheiro público que construíram grandes patrimônios para o deleite de suas famílias... E crianças pobres sem teto, sem escola e sem nada: apenas com olhos que choram e outras que nem sabem mais chorar...

Um bem-te-vi canta! E canta a mesma canção, com a mesma flauta e emoção...

Lavro a terra, trabalho nela; a pequena terra que tenho a lavrar...

Um beija-flor passa lento e não para no ar; não há mais rosa para ele beijar... 

Então planto uma roseira para quando ele voltar já ter uma rosa para beijar!...

Sou lavrador!

Nenhum comentário: