Busca

domingo, 26 de março de 2017

Poesia de Lima Coelho

VAIDOSA

Carlos Alberto Lima Coelho


Não eras uma rosa, símbolo da pureza do amor?
A Deusa dos jardins, que a todos embriagas com olor?
Deusa que se alimenta do orvalho das noites frias
E que para os casais transforma-se em harmonia?

Quantas brisas não te embalam dias e noites,
Deixando os cravos embevecidos de sentimentos.
Oh! Rosa, vaidosa, que com artimanhas vence
O tempo que passa registrando a sua história.

Rosa que, em princípio, não mostra o espinho,
Se deixa sugar, cede a sua essência, de forma mágica,
Para enriquecer o mel que adoça os lábios das Iracemas…

Rosa, que de repente, no planger dos meus dias,
Ferida, transforma o néctar dos encantos, em fel
Matando sentimentos, destruindo toda a alegria.

Nenhum comentário: