Busca

terça-feira, 25 de julho de 2017

Dia Mundial de Proteção aos Manguezais


Minha lembrança das 10 da manhã

Hélcio Silva

25 / 07 / 2017

Abro a tranca da cabeça e escuto a mente a lembrar: Amanhã, dia  26 de julho, comemora-se o Dia Mundial de Proteção aos Manguezais.

E o Márcio não esqueceu: fez lembrança antecipada!

Aqui na minha cidade, entre belas e agitadas águas que cercam a Ilha, com aromas de terras e mares desse imenso atlântico, vejo velhos companheiros estudando a natureza... 

Que bom!... São caras teimosos que insistem em estudar o assunto...

Pedro Gomes e Márcio Mendonça fazem parte do time... É um timaço de estudiosos!... 

Quero conhecer a todos os outros que não conheço pessoalmente; mas os acompanho pela leitura.

Não sei se o Pedro já viu; mas o Márcio aparece com uma novidade, no dia de hoje, lembrando do amanhã:

Uma lembrança e um estudo de Márcio Mendonça

26 de julho – Dia Mundial do Manguzal// CARACTERIZAÇÃO PARA REFLEXÃO SOCIAL MUNICIPAL
É consenso que a manutenção da vegetação MANGUEZAL próxima aos aglomerados urbanos traz benefícios consideráveis ao ambiente das cidades, colaborando com a estabilidade microclimática, atenuando a amplitude térmica, evitando insolação direta e contribuindo para a redução da velocidade dos ventos; age como anteparo de poluentes e de material particulado; atua como elemento importante na estrutura da paisagem; tem papel importantíssimo no seqüestro de CO2(+ q.flora amazônica); contribui para a diminuição da poluição sonora; disponibiliza os espaços de convívio social/lazer e pesca; melhora as condições de saúde mental e física da população, entre outros. A floresta de preservação permanente requer água, que por sua vez requer umidade sempre!
No caso específico da ZPA2/Distrito Industrial, sua extensão florestal reflete no índice de área verde da BH do rio Tibiri e tributários com aproximadamente 46% do mangue da CPCH. Considerando-se a área da BH no cálculo de área verde de Rio Tibiri, chega-se ao valor de 8,59 m2/habitante. Excluindo-se a Floresta de Mangue, tem-se apenas o valor de 2,8 m2/habitante, bem abaixo dos 12,0 m2/habitante previsto pela ONU. Mesmo assim, essa ZONA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL 2(Lei Municipal 3.253/1992), deixa transparecer que o Disal tem sua área de amortecimento dentro da BH do rio Tibiri, fato este que assenta uma revitalização do bairro atavés de compensação ambiental dos empreendimentos instalados ao longo dos 16,4km da BH.
Na Unidade de Conservação(APA Upaon-açu, mritiba e alto preguiças) destaca-se estadualmente pelo maior grau de pessoas residentes(2.5 mihões), por abrigar uma siggnificativa variedade de espécies de mangues(Siriba,Branco, Preto..), com características extrativistas distintas para variadas condições edafoclimáticas, e com enorme potencial para diferentes usos e aplicações. Nesse contexto, o Plano de Manejo da APA deveria ser exposto e contextualizado para aferir o grau de equidade social e ambiental do DISAL/DI. LAMENTAMOS AINDA MAIS QUANTO AO TEMPO DE CONCLUSÃO DO PLANO(2014) E A SUA NÃO TRANSPARÊNCIA POR PARTE DA SEMA. SR. GOVERNADOR, EXIJA DO SR. MARCELO COELHO ESSE PLANO NA PRÁTICA?!

Nenhum comentário: