Busca

segunda-feira, 14 de maio de 2018

PRESIDENCIÁVEIS NÃO ATRAEM OS ELEITORES


Jorge Oliveira

Brasília - Eis uma pergunta que todo eleitor faz hoje: em quem votar nas eleições deste ano? Feche o nariz, mas vá às urnas, pois você será responsável pelo presidente que vai dirigir o seu destino durante os próximos quatro anos. Se não prestar, mande para casa como já foi feito com outros dois presidentes depois da redemocratização. É assim mesmo: não presta, rua. Nem por isso, o país descambou para quebra da ordem institucional e social. Continua aguentando a bagunça aos trancos e barrancos mesmo com um presidente preso. Esses episódios, lamentáveis, só atestam o fortalecimento da nossa democracia ainda juvenil depois do anos de chumbo.

Quando a gente avalia os candidatos que estão por aí é de cortar o coração. Olha só a lista: Manuela, Boulos, Ciro, Bolsonaro, Alckmin, Maia, Marina, Flávio (Riachuelo) Lula & companhia, e dezenas de outros que não entram nem em campo quando o juiz apitar o jogo. Nesse balaio de gatos tem de tudo: esquerda, direita, centro, neutro e tontos. Isso mesmo, alguns tontos que, de quatro em quatro anos, se fantasiam de candidatos para falar bobagem no horário eleitoral na qualidade de laranja.

Poderíamos dizer aqui que o Brasil parou nos últimos quatorze anos. E não estaríamos faltando com a verdade. Depois que o PT chegou ao poder, as lideranças sucumbiram. Aqueles que ensaiaram caminhar com os próprios pés, que diziam ter ideias próprias e propostas renovadoras para o país entregaram-se ao clientelismo petistas e ao sindicalismo de conchavos e cooptação. As centrais dos trabalhadores se transformaram em arapucas entulhadas de pelegos e fisiológicos. No Congresso Nacional contam-se nos dedos os políticos arejados e articulados com os anseios da sociedade. E, hoje, o Brasil tem escassez de um comandante para tocar o barco à deriva.

Nesse emaranhado todo, surge uma lista de candidatos messiânicos que querem salvar a pátria, como se fosse fácil mudar as regras do jogo em quatro anos. Não, não é. O Brasil só ainda não quebrou totalmente porque é a oitava economia do mundo, mas caiu dez posições nos últimos cinco anos no ranking de países mais competitivos, perdendo até para a Mongólia. Essa desidratação ocorreu por causa dos administradores medíocres, desonestos e chefes de organização criminosa que ocuparam a Nação. Nos últimos anos, a nossa economia esteve sob a orientação de um médico, corrupto confesso,  o senhor Antonio Palocci, e sobreviveu. Depois, entregue ao fundamentalista Guido Mantega, também não quebrou, mas ficou pré-falimentar. Mostrou-se mais resistente ainda quando esteve sob os auspícios (hospício?) de Dilma Rousseff.

O eleitor, coitado, não terá muita opção para votar este ano. Acenou que poderia optar pelo ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa, quando lhe garantiu entre 9% e 10% dos votos nas pesquisas sem ele se declarar candidato. Os percentuais assustaram o pré-candidato que viu nos números iniciais as chances de crescer e – quem sabe –virar presidente da república. Entre ter a sua vida virada pelo avesso por jornalistas e adversários, ele preferiu descansar a coluna e aquietar-se, deixando a disputa para os profissionais. Na história da política trata-se de um caso raro, o de um pré-candidato que renuncia quando a sua curva de aprovação é crescente para se firmar como candidato competitivo.

Falar dos candidatos que restaram é bobagem. Todos nós, aqui, conhecemos um por um. Criticar ou não suas propostas seria outra falácia, pois até agora nenhum deles apresentou propostas para o país que não fossem a mesmice. Uns querem estatizar a economia, outros, neoliberais, mandar tudo para o espaço. Os neutros mantêm-se silenciosos para não se contaminarem antes das eleições, pois até lá querem se manter inatacáveis e não vão entrar em bola dividida para preservar a imagem de santos intocáveis sobre o altar.

Alguns desses candidatos nanicos não vão estar nos debates, pois a legislação eleitoral não permite que eles ocupem esse espaço por não terem representantes no parlamento. Mas é facultativo à emissora convidá-los. Portanto, vários deles estariam fora do debate por uma decisão unilateral da direção da TV.

Diante desse quadro, o que você pretende fazer quando outubro chegar? Se aceitar a minha humilde opinião, aqui vai uma sugestão: vote, pois só assim você terá legitimidade para ir novamente às ruas e arrancá-lo da cadeira se ele não prestar.

É a democracia, caro eleitor. Um dia – quem sabe – a gente acerta.

Nenhum comentário: