Busca

sábado, 28 de março de 2015

Os filhos que não chegaram

Em enfermo encontrei-o diante dele mesmo, chorando!
O corpo, sem roupa, só um calção velho o vestia;
E ele sentado, numa pedra/mármore, nem sentia as lágrimas que desciam pelo seu rosto, olhando o corpo já sem vida!
Sentia dores, pela ausência dos filhos que não chegavam;
No galho velho,  de um pé de tamarindo, o bem-te-vi cantava, anunciando a noite chegando!
E ele olha em sonhos de tristeza para o cancioneiro bem-te-vi que flauteia uma bela sonata de amor;
A noite chega e o leva; e ele não vê mais o corpo, nem os filhos que tanto esperou!
Ele pede uma rosa; e a noite lhe entrega várias rosas – de muitas cores – e ele as abraça pensando ser os filhos que esperou e não chegaram! 

Nenhum comentário: