Busca

domingo, 26 de julho de 2015

Artigo de Carlos Chagas



IMPOSSÍVEL NÃO PENSAR EM 2018 OU ANTES









O acirramento de acusações, delações e denúncias sobre corrupção envolvendo governo, partidos, Congresso, estatais e empreiteiras,  tem provocado uma série de efeitos colaterais ao escândalo. O maior deles é a antecipação da sucessão presidencial de 2018 ou mesmo antes. Não faria sentido discutir-se a questão quando nem um ano  transcorreu  da reeleição de Dilma Rousseff, mas diante de um futuro no mínimo incerto, não há quem deixe de especular a respeito.
Primeiro, surge a situação de Madame. Sobre sua cabeça encontra-se uma espada de Dâmocles. Se o Tribunal de Contas da União rejeitar suas contas ou se o Tribunal  Superior Eleitoral concluir que correu dinheiro podre na  recente campanha do PT,  mais se aproximará do palácio do Planalto a sombra do impeachment, sem falar nos doze pedidos já protocolados por setores da oposição junto à mesa onde hoje despacha o desafeto Eduardo Cunha, presidente da Câmara.  Há quem arrisque palpite numa eventual renúncia da presidente, se as coisas piorarem.  Apenas num caso, pendente da decisão do  TSE, o vice-presidente Michel Temer deixaria de assumir.  Nos demais,  conforme a Constituição, o lugar seria dele até o final do mandato.

Supondo-se que nada aconteça de cirúrgico, porém, o quadro para 2018 parece outro do que seria em condições normais. O PMDB já se definiu, até pela  palavra de Temer, que terá candidato próprio. Vai-se desfazendo a aliança do partido com o PT, mesmo se os companheiros  lançarem   o Lula, hipótese cada vez mais problemática, como as recentes pesquisas de opinião vem revelando.  Nas  variadas  simulações, o ex-presidente perde longe para Aécio  Neves e perto para Geraldo Alckmin e José Serra.  Claro que ainda é   a maior liderança petista e poderá recuperar-se, mas garantir, ninguém garante. As bancadas e os governadores do PT não estimulam a procura de outras hipóteses. Anda na baixa Aloísio Mercadante, que parecia uma delas. Jacques Wagner,  só se quebrar os limites da Bahia. Tarso Genro, sem ser ministro?

De quem então, o PMDB dispõe?  Na pole-position surge Michel Temer, desconhecido de boa parte da opinião pública.  Até a semana passada muita gente apostava em Eduardo Cunha, em  curva ascendente ao controlar a Câmara dos Deputados e criar problemas para o palácio do Planalto. Hoje não é bem assim, tendo em vista seu  suposto envolvimento no escândalo da Petrobras.  Trata-se de uma incógnita a progressão do parlamentar, apesar de no caso de Dilma  e Temer serem afastados, a ele caberá ocupar por noventa dias a chefia do Executivo, convocando novas eleições na primeira metade do mandato presidencial  em curso ou conduzindo a escolha no Congresso, nos dois anos finais.  Nessa hora, poderia ressurgir como solução interna.

Não param aqui as ilações cada vez mais frequentes. Porque no caso de eleições diretas, para completar o mandato de Dilma ou para o  próximo período, emerge o PSDB, com os tucanos por enquanto voando  em  céu de brigadeiro. Aécio Neves vai bem na frente, mas quando sobrevoar São Paulo, fatalmente será arcabuzado. O governador Geraldo Alckmin não venderá fácil a primazia para Minas, outra vez. José Serra observa, até diante de uma inusitada transferência para o PMDB.

Aventuras não faltarão, como já não faltam.  O senador Ronaldo Caiado encilha seu cavalo branco, pelo PP. Os partidos de aluguel, salvados do incêndio da reforma política que pouco queimou, preparam os mesmos de sempre.

Em suma, eis um tema que não deveria ocupar senão as preocupações dos desocupados, mas já transita pelos gabinetes dos partidos.

Nenhum comentário: